moto.com.br

Publicidade:

Testes

Harley-Davidson XR1200 X é a moto radical

10 de June de 2011
Compartilhe este conteúdo:

Aldo Tizzani

A XR1200 X foge completamente ao paradigma de moto estritamente estradeira imortalizado pela Harley-Davidson. Radical, o modelo da família Sportster foi feito para acelerar. Como diferenciais, esta HD traz motor V2 Evolution de cerca de 90 cv de potência (número não confirmado pela montadora), suspensão invertida na dianteira e traseira com sistema de pressurização a gás, ambas com múltiplas regulagens e da grife Showa. Além de rodas de liga leve, freios Nissin e um visual pra lá de arrojado. O modelo também abandonou os tradicionais cromados e adotou peças com pintura em preto fosco: suspensão dianteira, motor, curva do escapamento e ponteiras são algumas delas. Outro ponto que conspira para atrair pilotos mais jovens é o preço competitivo: R$ 33 mil.

Para criar a XR1200 X a Harley buscou inspiração nas motos de dirt-track – corridas em circuitos ovais de terra bastante populares nos Estados Unidos. Aliás, uma versão mais preparada da XR1200 participa de uma categoria monomarca da modalidade. Daí a origem de sua ciclística diferenciada e motor bastante esperto e “torcudo”, principalmente em baixas e médias rotações. Os 11 kgfm de torque máximo (a 3.700 rpm) podem assustar um piloto inexperiente. Ao girar o acelerador com vontade, o motociclista leva um “coice de mula” tamanha é a força transferida para a roda. Se tiver a mão muito pesada, a roda da frente pode até empinar. Em função do bom torque, o motociclista terá mais agilidade para se deslocar no trânsito urbano e obter retomadas mais eficientes para trafegar pela estrada.

Em uma rodovia plana, a XR1200 X trafega a 116 km/h com o motor nas 3.500 rotações. Se girarmos um pouco mais o acelerador e chegarmos aos 4.000 giros, a moto alcança facilmente 130 km/h, sua velocidade de cruzeiro. Claro, existe ainda muito fôlego para este V2. Mas a sensação de vento no peito é forte se o piloto rodar a mais de 150 km/h.

O motor que equipa a XR1200 X é da família Evolution. Esse V2 “preparado” de exatos 1.202 cm³ de capacidade recebeu refrigeração a óleo, além de uma maior taxa de compressão (10,0:1). Rodando entre trechos urbanos e rodoviários, a moto obteve consumo médio de 20 km/l. Uma boa marca para um motor de 1.200 cc.

Ciclística
Com certeza, a XR1200 X é o modelo que apresenta a melhor ciclística entre as motos Harley-Davidson. Na dianteira, garfo telescópico invertido (upside-down) com 125 mm de curso. Para completar, freios Nissin, com dois discos de 292 mm e pinça de quatro pistões. Já na traseira, dois amortecedores fixados diretamente na balança, feita em liga de alumínio. E um disco de 260 mm e cáliper de um pistão.

Na prática, a suspensão tem o comportamento de uma esportiva, mais firme. A diferença é que o conjunto traseiro da maioria das superbikes, nakeds e streets é do tipo monochoque. Na HD XR1200 X é bichoque, com pressurização a gás e múltiplas regulagens de retorno e compressão da mola.

Com relação aos freios, a princípio se mostraram um tanto “borrachudos”. Mas temos que levar em consideração que a moto estava com apenas 14 km rodados, e é normal que as pastilhas precisem de algumas frenagens até se “acomodarem” e oferecerem máxima capacidade de frenagem quando pressionadas contra o disco. Para receber nota 10 só faltou a adoção do sistema de freios antitravamento ABS, o que já vem ocorrendo com outros modelos da marca americana.

Ergonomia e visual esportivo
Diferentemente das outras Harley custom, a XR1200 X oferece guidão mais aberto e as pedaleiras recuadas. Assim, o piloto fica mais ereto, porém com as pernas flexionadas. A posição mais esportiva, aliada à ciclística diferenciada e seu caráter, fazem desta HD uma devoradora de curvas. Não que ela seja uma superesportiva, mas a XR1200 X tem muita facilidade para contornar curvas. Outro fator que ajuda nesse bom desempenho é a escolha dos pneus Dunlop Qualifier, desenvolvidos especialmente para o modelo e que garantem aderência e controle. Resumido: mais segurança.

Com relação à parte estética, XR 1200X se diferencia pelo visual mais esportivo, traduzido pelo tanque com linhas mais retas e grafismo que imita uma bandeira quadriculada. Já a rabeta é curta e as rodas de liga leve pintadas de preto ganharam faixas laranja. Praticamente idênticos às utilizadas na XR 750 (modelo de competição), as ponteiras também foram pintadas de preto e estão posicionadas do lado direito da moto.
Simples e funcional, o painel de instrumentos tem um pequeno mostrador digital, que indica a velocidade. A seu lado outro, maior e analógico, traz as informações das rotações do motor e hodômetro digital, além, é claro, das luzes-espia. Na pilotagem noturna, o fundo dos mostradores fica laranja, garantindo boa visualização.
 
Concorrentes
A XR 1200X não é uma custom, muito menos uma autêntica naked. Então vamos apresentar suas principais concorrentes em função do preço de R$ 33 mil. Os modelos Honda, Shadow 750 (R$ 31.880, com ABS) e CB 600F Hornet (R$ 33.260, sem ABS), são as mais próximas nessa faixa de preço. Na Yamaha, a XJ6F (versão carenada) custa R$ 33 mil e a XVS 950 Midnight Star sai por R$ 32.300 (preta). Já na Ducati, a opção é a Monster 696 ABS, que sai por R$ 33.900. Para finalizar, a recém-nacionalizada BMW F 800 R, que tem preço divulgado de R$ 36.900, disponível com ABS, computador de bordo, piscas de LED e tomada 12V.

Ficha Técnica
Motor:
2 cilindros em V Evolution, refrigerado a ar/óleo
Capacidade cúbica: 1.202 cm³
Potência: n.d.
Torque máximo: 11 kgfm a 3.700 rpm
Sistema de alimentação: injeção eletrônica de combustível por porta seqüencial (ESPFI)
Relação de compressão: 10,0:1
Sistema de partida: elétrico
Câmbio: cinco velocidades
Transmissão final: correia dentada
Capacidade do tanque: 13,2 litros
Chassi: berço duplo de aço tubular
Suspensão
Dianteira: invertida (upside-down), com 125 mm de curso e múltiplas regulagens
Traseira: amortecedores hidráulicos com regulagem de pré-carga da mola e taxas de compressão e retorno
Freios
Dianteiro: disco duplo de 292 mm, com cáliper de quatro pistões
Traseiro: disco de 260 mm, com cáliper de um pistão
Pneus/rodas
Dianteiro: Dunlop Qualifier 120/70 ZR18 – liga leve
Traseiro: Dunlop Qualifier 180/55 ZR 17 – liga leve
Comprimento: 2.225 mm
Largura: 930 mm
Altura: 1.160 mm
Distância entre-eixos: 1.524 mm
Altura do assento: 795 mm
Altura do solo: 150 mm
Peso seco: 249,9 kg
Cores: White Hot Denim (Branco Fosco), Black Denim (Preto Fosco)
Preço: R$ 33 mil

Fotos: Doni Castilho

Fonte: Infomoto



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste BMW S 1000R: Amor à primeira volta!

Teste: Honda CTX 700N aposta no futuro do motociclismo

Triumph lança no Brasil a Thunderbird Commander

Teste: Comparativo BMW C 600 Sport versus Yamaha Tmax 530

Teste: Harley-Davidson CVO Breakout mais que exclusiva

Teste: BMW C 600 Sport, maxi scooter com espírito de moto

Teste: Ducati Hyperstrada dá velocidade ao turismo

Triumph lança no Brasil a Thunderbird Commander

Teste: Comparativo BMW C 600 Sport versus Yamaha Tmax 530

Teste: Harley-Davidson CVO Breakout mais que exclusiva

Teste: BMW C 600 Sport, maxi scooter com espírito de moto

Teste: Comparativo Flex Honda CB 300R x Yamaha Fazer 250

Teste: Primeiras impressões com a Honda CB 500X

Yamaha lança XTZ 150 Crosser e nós já avaliamos, confira!


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras
Ducati Honda CB 600 F Hornet Motos Usadas Kawasaki Motos Novas Fazer Transalp Fipe Yamaha YZF R1 Suzuki Kasinski Moto Velocidade Srad Sundown Motos CBR Harley Davidson MotoGP BMW XT 660 Tornado 600RR Ofertas Shadow Revista Off Road

Siga-nos

ícone orkut ícone youtube ícone twitter ícone facebook ícone rss