moto.com.br

Publicidade:

Testes

Ducati 1198, uma superesportiva para poucos...

27 de October de 2011
Compartilhe este conteúdo:

Aldo Tizzani

Quando pensamos em motocicletas Ducati, logo imaginamos os modelos superesportivos “enrugando” o asfalto nos campeonatos mundiais de MotoGP e Superbike. E o modelo 1198 é praticamente a materialização dessas imagens. Fabricada na cidade italiana de Borgo Panigale, na região de Bolonha, a 1198 traz como destaques o motor de dois cilindros em “L” de 170 cv de potência máxima, controle de tração ajustáveis em oito níveis, troca de marchas sem o uso da embreagem, além de um eficiente sistema de freios e um completo painel de instrumentos. Ou seja, a 1198 é uma moto de rua, mas com todas as características para rodar com extrema desenvoltura na pista. Esta devoradora de curvas, ideal para pilotos experientes, tem preço sugerido de R$ R$ 66.900. Para testar a superbike italiana fomos até o autódromo do ECPA (Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo), em Piracicaba (SP).

Antes de subir na moto era a hora de fazer uma espécie de “check-list” em seu visual: a carenagem frontal é bastante compacta; a traseira é mais afilada e elevada, já que sob a rabeta foram posicionadas duas saídas de escape; e, para completar, quadro em treliça, uma assinatura em metal da marca italiana. Além do design, que faz com que o piloto tenha um postura racing, extremamente agressiva, o motor chama muito a atenção por seu tamanho reduzido e desempenho arisco.

Motor Testastretta Evoluzione
Quando o propulsor bicilíndrico em “L” Testastretta Evoluzione, equipado com o exclusivo sistema desmodrômico entra em funcionamento, deixa extasiado o mais incrédulo motociclista. Com um som descompassado, o propulsor gera 170 cv de potência máxima a 9750 rpm. Já o torque máximo, de 13,4 kgf.m, chega a 8000 rpm. O motor “enche” rapidamente, com melhor desempenho em médios e altos regimes de rotação. Parece mentira, mas a entrega de potência é transferida com muita suavidade. Para isso, o motor traz componentes derivados da MotoGP, como pistões, balancins e conjunto de transmissão.

O bloco do motor da 1198 é 3 kg mais leve que o que equipava sua antecessora, a 1098, isso em função do novo método de fabricação. Vale destacar também o formato de cárter, que parece um funil, justamente para concentrar o óleo do motor na parte mais baixa da moto e, com isso, reduzir o centro de gravidade. Esta nova tecnologia empregada na construção do motor da 1198 também evita que nas acelerações, frenagens e curvas mais agressivas o óleo se movimente bruscamente dentro do motor, o que pode influenciar negativamente na estabilidade da moto. Afinal são 4 litros de óleo (aproximadamente 4 kg) em movimento.

Outro diferencial dos motores Ducati é a adoção do sistema desmodrômico de acionamento das válvulas. Ou seja, o propulsor não utiliza molas helicoidais para fechar as válvulas automaticamente, mas sim balancins acionados mecanicamente por um ressalto excêntrico específico. Além disso, o sistema desmodrômico também garante a pressão interna do motor e, com isso, mais potência.

Quick Shift e controle de tração
A 1198 traz muita eletrônica embarcada. Por isso é preciso ler com muita a atenção o manual proprietário antes de subir na moto. Por exemplo, o sistema Quick Shift da Ducati (DQS) oferece ao piloto a possibilidade de subir as marchas sem o uso da embreagem e sem desacelerar. O DQS é bastante parecido com o utilizado pela BMW K 1300 S e também na K 1600 GTL. Na prática, o piloto fará trocas de forma mais rápida, sem precisar ter a preocupação de acionar a embreagem.

Derivado das motos de competição, a Ducati foi a primeira marca a introduzir em motos de série um sistema de controle de tração. Na 1198, o DTC (Ducati Traction Control) faz a leitura da velocidade das rodas por intermédio de sensores específicos e pode ser ativado/desativado pelo piloto por meio das funções do painel de instrumentos. Pode ser ajustável em oito níveis, do mais agressivo (1), indicado para uso em pista e pilotos experientes; até um mais atuante e seguro (8), aconselhável para pilotos menos experientes e rodando na chuva. Num primeiro contato é difícil achar uma seleção ideal. Isso só acontece com o tempo e intimidade com a moto.

Ciclística refinada
Extremamente leve (9 kg), já que é construído em aço, o quadro em treliça da Ducati não usa travessas. A maioria dos componentes fica centralizados, melhorando a distribuição de peso. Em função da extrema rigidez do chassi, aliado ao motor e aos componentes eletrônicos e ciclísticos, a 1198 oferece excelente estabilidade em retas e também nas saídas de curvas, quando o propulsor “enche”, buscando o máximo de rendimento.

Para oferecer segurança e alto nível de desempenho, a superesportiva da Ducati está equipada com o que há de mais eficiente em termos de suspensão e freios. Na dianteira, suspensão invertida Showa, com 127 mm de curso, oferece ajustes de pré-carga, compressão e retorno. Conta ainda com tubos internos com revestimento em óxido de titânio, que garantem baixíssimo coeficiente de atrito. Já os freios da Brembo - fabricados com o mesmo conceito dos usados na MotoGP – traz dois discos de 330 mm de diâmetro, semi-flutuantes, com pinças monobloco de quatro pistões e fixadas radialmente. Aqui, uma ressalva: é preciso ter cuidado ao usar o freio. O sistema dianteiro é simplesmente um exagero.

Já o conjunto traseiro conta com suspensão monobraço, com 127 mm de curso, que além do belo visual também permite com que a roda seja retirada de forma mais rápida e sem a necessidade de mexer na regulagem da corrente. O amortecedor traseiro – sistema monochoque – traz um diferencial: tem sistema de acionamento por balancim, no qual, basicamente, o amortecedor recebe pressão nas duas extremidades , o que permite o uso de um amortecedor mais leve e compacto, além de não requerer um ponto de apoio reforçado no chassi. Já o disco é simples e tem 245 mm de diâmetro.

Painel multifuncional
Completíssimo, o painel da 1198 também é derivado dos modelos usados no Mundial de MotoGP, com inúmeras funções, inclusive shift light (luz que indica a rotação certa para trocar de marcha). Para facilitar o acionamento, o piloto conta com botões de controle que estão incorporados ao interruptor esquerdo do guidão. O display de cristal líquido apresenta inúmeras informações: velocímetro, conta-giros, tempos de volta, relógio, temperatura do ar, temperatura do líquido de arrefecimento, voltagem da bateria, hodômetros parciais A e B, hodômetro de reserva de combustível, manutenção programada, além de luzes-espia.

Para os proprietários da Ducati 1198 que gostam de rodar quase que exclusivamente em pista e na busca do recorde pessoal, o modelo tem como acessório um analisador de dados. Com o Ducati Data Analyzer (DDA) é possível ter 3,5 horas de gravação de vários parâmetros como por exemplo, velocidade, rotação do motor, temperatura, trocas de marcha, posição do acelerador em cada volta . O acessório é facilmente ativável, basta apenas plugar o pen drive em um plug específico sob o assento do garupa e habilitar a função no painel de instrumentos . Após isso, o início de cada arquivo é feito através do botão do lampejador do farol alto.

Na prática, a 1198 até pode ser uma moto fácil de pilotar, mas é preciso conhecer muito bem o funcionamento do conjunto. Esta superbike italiana é um produto diferenciado, para um motociclista experiente que quer extrair o máximo rendimento de uma motocicleta.

Ficha Técnica
Motor: Dois cilindros em “L”, quatro válvulas, sistema Desmodrômico, refrigeração líquida
Cilindrada: 1198,4 cm3
Potência máxima: 170 cv a 9750 rpm
Torque máximo: 13,4 kgf.m a 8000 rpm.
Câmbio: Câmbio de seis velocidades e transmissão final por corrente
Diâmetro X Curso: 106x67,9mm
Taxa de Compressão: 12,7:1
Alimentação: Injeção eletrônica.
Chassi: Treliça, em tubo de aço.
Suspensão:
Dianteira do tipo telescópica Showa com tubos de 43 mm totalmente ajustáveis e curso de 127 mm. Traseira monochoque Showa totalmente ajustável e 127 mm de curso.
Freios: Dianteira com dois discos de 330mm semi-flutuantes, com pinças Brembo Monobloco de 4 pistões fixada radialmente. Na traseira disco de 245mm com 2 pinças
Rodas e pneus: Rodas de liga de alumínio de 10 raios. Pirelli Diablo Supercorsa SP 120/70 ZR17 (D) e Pirelli Diablo Supercorsa SP 190/55 ZR17 (T)
Dimensões: Comprimento: N/D. Altura do assento em relação ao solo: 820 mm. Entre-eixos: 1.475 mm. Altura e largura: N/D
Peso: 171 kg a seco.
Tanque: 15,5 litros.
Preço: R$ 66.900

Fotos: Mario Villaescusa e Divulgação



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Dafra Maxsym 400i oferece conforto na estrada

Honda anuncia chegada dos modelos CB 650F e CBR 650F

Avaliação da Triumph Tiger Sport

Teste: Triumph Thruxton é café racer customizada de fábrica

Teste: Yamaha VMax é pura força bruta

Duelo caseiro: NC 700X vs. CB 500X

Teste Honda CB 500X: A mais divertida da família!

Honda anuncia chegada dos modelos CB 650F e CBR 650F

Teste: Dafra Maxsym 400i oferece conforto na estrada

Teste: Comparativo Flex Honda CB 300R x Yamaha Fazer 250

Avaliação da Triumph Tiger Sport

Teste: Triumph Thruxton é café racer customizada de fábrica

Yamaha lança XTZ 150 Crosser e nós já avaliamos, confira!

Yamaha traz para o Brasil a MT-09, confira nossa avaliação!


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras
Ducati Honda CB 600 F Hornet Motos Usadas Kawasaki Motos Novas Fazer Transalp Fipe Yamaha YZF R1 Suzuki Kasinski Moto Velocidade Srad Sundown Motos CBR Harley Davidson MotoGP BMW XT 660 Tornado 600RR Ofertas Shadow Revista Off Road

Siga-nos

ícone orkut ícone youtube ícone twitter ícone facebook ícone rss