moto.com.br
Publicidade:

Testes

Dafra Roadwin 250R: Custo-benefício a toda prova

16 de April de 2012
Compartilhe este conteúdo:

Leandro Lodo

Recentemente a Dafra lançou mais uma nova motocicleta, a esportiva compacta Roadwin 250R. O modelo foi apresentado no Salão das Duas Rodas em São Paulo e chamou bastante atenção por seu apelo esportivo. Sua carenagem integral esconde o seu coração de 250cc monocilíndrico, mas visualmente ela parece muito maior, atraindo muitos olhares daqueles que estão passando pelas ruas e principalmente de outros motociclistas.

Perímetro Urbano
Nos primeiros dias com o modelo, andamos apenas no perímetro urbano, passando por avenidas e marginais. No tráfego intenso ela se comporta bem, mas por conta de sua carenagem integral, há uma dificuldade maior em passar em espaços mais apertados, já que você vira o guidão, mas os espelhos não. Além disso, a manopla é um pouco dura para quem tem que frear e apertar a embreagem a todo instante, apesar disso o modelo tem uma confortável posição de pilotagem com os semi-guidões acima da mesa.

Já nas marginais, a sua proteção ajuda bastante na aerodinâmica e você nem sente as manoplas. Nesta situação, como o tráfego normalmente flui melhor (para quem está de moto), podemos andar com bastante tranquilidade sem ter a preocupação em ficar reduzindo. Neste momento a Roadwin 250R mostra todo seu potencial com a 4ª e 5ª marchas (são 5 velocidades no total) extremamente longas, permitindo alcançar o limite de velocidade da via com facilidade.

Há diversos pontos positivos neste modelo, e também há alguns negativos, é claro. Mas seus créditos positivos não ficam restritos apenas ao seu visual esportivo, os freios também merecem bastante destaque. São um dos melhores conjuntos de freios que já utilizamos em uma motocicleta deste porte! São dois discos frontais, isso mesmo, dois discos frontais e mais um traseiro que lhe permite uma ótima frenagem. Na Kasinski Comet 250R também há dois discos frontais e um traseiro e na Kawasaki Ninja 250R apenas um disco frontal e um disco traseiro. O manete de freio dianteiro da Roadwin 250R ainda proporciona alguns níveis de regulagem, comum em motos acima de 600cc.

Já o painel deste modelo possui conta-giros analógico e marcador de velocidade digital, diferentemente do ultrapassado painel da Kawasaki Ninja 250R que mantém ambos analógicos. O painel da Roadwin 250R também lhe permite visualizar, apesar do pequeno tamanho, a temperatura do motor, as horas e os hodômetros total e parcial.

Durante o dia não vemos a cor que é emitida no painel, mas durante a noite, o bonito e forte azul dificulta um pouco a visualização das informações, que poderiam ser melhor visualizadas se o painel fosse um pouco maior ou tivesse um azul mais claro.

Um fato que me chamou atenção foi o consumo da Roadwin 250R no perímetro urbano. Eu realmente não sou a pessoa mais indicada para fazer testes de consumo. Tenho 1,90m, peso aproximadamente 94kg e metade do tempo que levo para chegar em casa é no trânsito. Mas me surpreendi com a média de 27,5 km por litro que o modelo fez! Nas estradas, o modelo fez 31,5 km por litro. É uma boa marca se considerarmos as condições mencionadas.

Nas estradas
Com a Roadwin 250R, descemos a serra sentido Mogi-Bertioga. Como já era noite, pilotamos com bastante cautela e pudemos notar a boa visibilidade que o conjunto óptico lhe proporciona na rodovia na ausência de luminosidade.

O modelo também proporciona uma excelente estabilidade devido a sua suspensão dianteira de 128 mm de curso, que junto com o sistema traseiro proporciona boa segurança nas curvas.

Voltando para São Paulo, ao subir a serra começamos a nos empolgar um pouco com as sinuosas curvas que o trajeto possui. São curvas bem acentuadas e que lhe trazem boas emoções, mas não se empolgue muito, o cavalete central (item dispensável em um modelo com apelo esportivo como este) pode raspar no asfalto e dar um friozinho a mais na barriga.

Já em São Paulo, recebemos a visita de um técnico da Dafra para nos tirar algumas dúvidas, queríamos saber por que ao pressionar o botão direito do painel, os hodômetros total e parcial diminuíam o números registrados. Não havíamos percebido, mas há um indicador que ambos podem ser visualizados em quilômetros ou em milhas – o painel também é utilizado em outros modelos que são produzidos fora do Brasil que utilizam milhas ao invés de quilômetros.

Conversando com o técnico a respeito da ausência do botão de “engine stop” (sistema que desliga o motor sem a necessidade de girar a chave) e do sensor no cavalete lateral (equipamento que evita que o motor seja acionado com o cavalete lateral baixo), o mesmo nos informou que esses itens virão com a chegada de um próximo modelo da Roadwin 250R. Com certeza será uma ótima escolha.

Andando com garupa, o modelo também se comporta muito bem, é muito bom conseguir ver a frente sem ter que olhar por cima dos ombros do piloto. Porém, após alguns quilômetros rodados, a alça de apoio do garupa causa incômodo.

Ao final do teste concluímos que a Dafra Roadwin 250R é um ótimo custo-benefício. O modelo tem preço sugerido de R$ 12.490 e se você quer uma motocicleta 250cc com o apelo esportivo e não quer pagar R$ 14.990 na Kasinski Comet GT 250R ou R$ R$ 15.540 na Kawasaki Ninja 250R, a Roadwin 250R pode ser uma boa escolha. Além disso, baseado em um mesmo perfil, o seguro da Roadwin 250R sai cerca de 50% abaixo do preço das concorrentes Ninja 250R e Kasinski Comet GT 250R.

O jornalista usou nos testes capacete, jaqueta, calça e luvas Joe Rocket e botas Tutto Moto, que podem ser encontrados nas lojas Nacar Motorcycles e no site www.nacar.com.br

Serviço

Cotação de Seguro (*)
R$ 3.079,39 (à vista)
R$ 1.888,00 (franquia)
(*) Perfil médio: Homem, 25 a 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, morador de São Paulo e com residência em região razoável (zona sul ou zona oeste, por exemplo).
Agradecimento
Cycle Assessoria e Corretora de Seguros
Fone: (11) 3159-0733
www.cycleseguros.com.br

FICHA TÉCNICA
Motor: Monocilíndrico, 4 válvulas, DOHC, refrigeração líquida
Capacidade cúbica: 247 cm³
Potência: 24 cv 9.000 rpm
Torque: 1,92 kgf.m a 7.000 rpm
Câmbio: 5 velocidades
Alimentação: Injeção eletrônica KEFICO
Quadro: Berço duplo em aço
Suspensão dianteira: Garfo telescópico convencional
Suspensão traseira: Balança monoamortecida
Comprimento: 2.025 mm
Largura: 778 mm
Altura: 1.180 mm
Distância entre eixos: 1.390 mm
Altura do banco: 780 mm
Tanque de combustível: 15 litros
Peso (em ordem de marcha): 173 kg
Freio dianteiro: Duplo disco de 290 mm de diâmetro com pinças de dois pistões
Freio traseiro: Disco simples de 220 mm, com pinça de dois pistões
Pneu dianteiro: 110/70 – 17
Pneu traseiro: 130/70 – 17
Cores: Branca e Vermelha
Preço Sugerido: R$ 12.490

Fotos: Aladim Lopes Gonçalves/Kelli Menezes



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Honda XRE 190 é nova opção compacta no país

Teste: H-D Iron 883 muda para atrair novos clientes

Teste: NMax 160 põe Yamaha na briga dos scooters

Vídeo: Kawasaki Ninja 300 ou Z300, qual é a sua pegada?

Teste: Triumph Explorer 1200 XCx, a rainha inglesa

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Yamaha MT-03 tem desempenho e preço acessível

Teste: H-D Iron 883 muda para atrair novos clientes

Teste: Honda XRE 190 é nova opção compacta no país

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: Kawasaki Vulcan S é nova custom acessível

Teste: Yamaha Ténéré 250 encara Honda XRE 300

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Para Kawasaki Z300 tamanho não é documento


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras