moto.com.br

Publicidade:

Testes

BMW R 1200 GS: A DONA DA ESTRADA

23 de February de 2010
Compartilhe este conteúdo:

André Jordão

Para marcar os 15 anos de tradição da bem sucedida série GS, a BMW Motorrad lançou, no ano passado, a R 1200 GS Special Edition, com ainda mais acessórios disponíveis. Este modelo comemorativo traz assento bicolor, para brisa fumê, protetores de mão, setas com LEDs e uma pintura branca alpina. Ela ainda traz protetor do cárter, cobertura dos cabeçotes em alumínio e rodas raiadas com aros “externos”, tudo para realçar seu gene de enduro.

Ao receber este modelo logo percebi que o local para avaliar esta motocicleta não podia ser próximo. Ela figura entre as melhores motos para se viajar do mundo e com tanta tecnologia embarcada, o Rio de Janeiro foi o local escolhido para testá-la.

Conforto + Tecnologia = Tranquilidade

Ao chegar na estrada você começa a pôr em prática toda a tecnologia que a R 1200 GS possui. O botão com as letras RDC, permitirá que você acompanhe eletronicamente a pressão dos pneus. Além de verificar cada vez que a moto é ligada, o sistema monitora permanentemente a calibragem dos pneus. Uma sigla já conhecida por todos também está presente neste modelo, o ABS. Os freios garantem segurança nas frenagens de emergência e podem ser desligados, o que é bom para quem não gosta do sistema.

Já o botão do ESA (Electronic Suspension Adjustment) permite ajustar eletronicamente as suspensões da BMW R 1200 GS. Outra tecnologia que ajuda e muito, principalmente no fora de estrada, é o ASC (Automatic Stability Control), um exclusivo controle de tração que evita derrapagens indesejadas em superfícies escorregadias. Pode-se acelerar sem medo, que o sistema corrige os exageros. Para os mais experientes, o ASC oferece um ajuste mais esportivo que permite leves derrapagens ou ainda pode-se desligar o sistema.

Depois de um tempo na estrada e tendo desvendado toda essa tecnologia, a vontade é ir mais longe. E é ai que entra um dos poucos defeitos desta moto. Seu tanque de 20 litros, não dá uma autonomia muito boa, em média ela fez 14,3/l — “bebe” bem —, o que foi suficiente para rodar 286km. Mas isso não é motivo para pânico, porque o computador de bordo irá lhe informar o consumo médio e a distância que você pode percorrer até o próximo posto. Além de velocidade média, relógio, nível de combustível e hodômetros. Dois mostradores analógicos – conta-giro e velocímetro – completam o painel.

Outro ponto positivo para o conforto, são os “bauletos” que podem ser instalados na lateral deste modelo especial da R 1200 GS. O esquerdo é um pouco menor por conta do escapamento,  mas os dois juntos lhe dão um bom espaço para as quinquilharias.   

Potência e Força que ajudam

A edição especial da GS tem a mesma base mecânica: o motor boxer de dois cilindros opostos e 1.170 cm³ de capacidade. Mesmo com refrigeração mista (ar e óleo), o propulsor, alimentado por injeção eletrônica de combustível, tem excelente desempenho: 105 cv de potência máxima a 7.500 rpm e torque de 11,7 kgf.m a 5.750 rpm.

Todos estes números se traduzem em muito conforto na estrada. Ao engatar a sexta marcha você só se concentra no seu caminho, pois a moto lhe dará torque e potência suficiente para realizar qualquer ultrapassagem, ou mesmo fugir de uma possível situação adversa.  A posição de pilotagem também favorece e, fez 550km, na ida, parecerem uma ida ao mercado. Vale uma ressalva aos pilotos altos com cerca de 1,90m como eu: toda vez que parei a motocicleta bati a canela nos cabeçotes, que na R 1200 GS, ficam bem à frente dos pedais. 

Até o momento da volta, a chuva não tinha aparecido, foi quando a 200km de São Paulo ela chegou. De baixo de muita água, foi assim que encerramos as avaliações desta motocicleta, que mesmo com o dilúvio se comportou bem. As suspensões BMW Telelever, com 190 mm de curso, na dianteira, e com 200 mm de curso, na traseira, aliada às rodas de aro 19, na frente e 17, atrás, mantêm ela firme no asfalto, inclusive passando por aquaplanagem.

Por fim um último defeito: seu preço. É preciso ter uma boa conta bancária para ter essa edição especial: R$ 80.900,00 e ela é sua. “Apenas” R$ 1.000 mais cara que a versão top de linha da R 1200 GS e com muito mais equipamentos.

Ficha técnica   
Motor:
Dois cilindros opostos (boxer), 4 válvulas por cilindro e refrigeração mista
Capacidade cúbica: 1.170 cm³
Potência máxima (declarada): 105 cv a 7.500 rpm
Torque máximo (declarado): 11,7 kgf.m a 5.750 rpm
Câmbio: Seis marchas
Transmissão final: eixo-cardã
Alimentação: Injeção eletrônica
Partida: Elétrica
Quadro: Multitubular em aço
Suspensão dianteira: BMW Telelever com 190 mm de curso
Suspensão traseira: BMW Paralever com 200 mm de curso
Freio dianteiro: Disco duplo de 305 mm de diâmetro
Freio traseiro: Disco simples de 265 mm de diâmetro
Pneus: 110/80-19 (diant.)/ 150/70-17 (tras.)
Comprimento: 2.210 mm
Largura: 935 mm
Altura: 1.450 mm
Distância entre-eixos: não disponível
Distância do solo: não disponível
Altura do assento: 870/890 mm
Peso em ordem de marcha: 225 kg
Peso a seco: 199 kg
Tanque de combustível: 20 litros
Cores: Branca alpina
Preço sugerido: R$ 80.900,00



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: KTM Duke 690R uma moto e muita diversão

Na lata! Avaliamos a Triumph Tiger 800 XRx

Teste: Traxx TSS 250 tem estilo e preço baixo

Teste: KTM Super Duke é fera, bela e obediente

Teste: Honda CBR 500R é uma esportiva racional

Yamaha MT-07: O que mais você poderia querer

Teste: BMW F 800 R quer mais destaque no line-up

Teste: KTM Super Duke é fera, bela e obediente

Yamaha MT-07: O que mais você poderia querer

Teste: Honda CBR 500R é uma esportiva racional

Teste: Traxx TSS 250 tem estilo e preço baixo

Na lata! Avaliamos a Triumph Tiger 800 XRx

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: Comparativo Flex Honda CB 300R x Yamaha Fazer 250


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras