moto.com.br

Publicidade:

Testes

BMW G 650 GS quer a liderança da categoria trail

15 de September de 2011
Compartilhe este conteúdo:

Aldo Tizzani

A G 650 GS, moto de entrada ao mundo BMW, está de cara nova. Montada no país desde 2009, o modelo teve seu design atualizado e agora está alinhado com a versão vendida na Europa. O farol assimétrico e o para-lama dianteiro alto deixaram a moto com um ar mais esportivo e muito parecido com os usados nas irmãs mais velhas – F 800 GS e R 1200 GS. O que não mudou, para a alegria dos motociclistas brasileiros, foi o preço. A BMW Motorrad do Brasil manteve o valor de R$ 29.800.

A “nova” G 650 GS continua oferecendo atrativos como, por exemplo, freios ABS e cavalete central. Já as rodas em liga leve, os pneus mais largos, manoplas aquecidas e a tomada 12V fazem parte do modelo 2012. Aliás, nesta versão, a moto está mais “magra”, esguia, já que seu tanque de combustível aparece mais estreito e com 3,3 litros a menos de capacidade em comparação à sua antecessora.

Essas alterações proporcionam ao piloto uma melhor postura sobre a moto, já que os joelhos ficam mais próximos. Resultado: melhor dirigibilidade. A nova 650 GS também teve alguns pequenos acertos no que diz respeito ao regime de rotação (aumento da rpm em torque máximo de 4.500 para 5.000). Nada que o piloto possa sentir girando o acelerador.

Sucesso de vendas
Com desenho revigorado e preço competitivo, a G 650 GS é a segunda colocada no ranking de emplacamentos da categoria Trail, literalmente colada no modelo da Yamaha (XT 660). De janeiro a agosto foram vendidas 1.251unidades da moto de uso misto da BMW, contra 1.253 da on/off-road da Yamaha, que custa R$ 27.273.

A disputa está bastante acirrada entre os modelos desta categoria, que ainda conta com a participação da Honda XL 700 V Transalp (R$ 31.800, versão standard, e R$ 34.800, com freios ABS) e da Suzuki V-Strom 650 (R$ 32.900). Segundo a BMW já foram comercializadas 2.350 unidades da G 650 GS desde que sua montagem foi iniciada em Manaus (AM) pela Dafra, em 2009.

Motor esperto
A trail da BMW tem motor monocilíndrico com 652 cm³ de capacidade, comando duplo no cabeçote (DOHC), quatro válvulas por cilindro e refrigeração à líquido. O propulsor oferece potência máxima de 50 cv a 6.500 rpm e desenvolve um torque máximo de 6,1 Kgfm a 5.000 rpm. Com engates suaves e precisos, a moto está equipada com câmbio de cinco velocidades. Na prática, a nova BMW G 650 GS oferece força desde as baixas rotações. Detalhe: o motor usado no modelo de entrada da BMW é fabricado na China pela Loncin, enquanto outros componentes chegam diretamente da Alemanha.

Ideal para o dia a dia ou em viagens de final de semana, a moto empolga realmente por sua esperta aceleração e não por sua velocidade final, que chega a casa dos 170 km/h. Na média de consumo, a G 650 GS faz 20 km/litros. Ou seja, a moto tem autonomia para rodar até 280 quilômetros. Não é muito, mas suficiente para o motociclista curtir bons trechos de estrada.

Seja na cidade, em rodovias sinuosas ou por estradas de terra, a trail da BMW oferece boa dose de versatilidade e segurança, já que a G 650 GS traz de série freios ABS, que pode ser desativado para condução off-road.

Ciclística acertada
Design revigorado e motor confiável. Agora só falta falar sobre ergonomia, conforto e ciclística. Para os baixinhos de plantão, um alento. Apesar da proposta de uso misto, qualquer piloto com 1,70 m conseguirá apoiar os dois pé no chão – a altura do assento é de apenas 780 mm. Este detalhe, querendo ou não, transmite maior segurança ao motociclista, principalmente em manobras de baixa velocidade. Além disso, o piloto conta com uma postura bastante ergonômica (coluna ereta) sobre a moto e o garupa também vai bem acomodado.

Para completar, o banco é largo e macio e o novo para-brisa protege o piloto, principalmente do vento frontal. Mas a nova G 650 GS “perdeu” o protetor de mão, item de segurança que “cortava” o vento e o frio, além de proteger as mãos do motociclista de algum contato com os carros, principalmente se estivesse trafegando pelo corredor, ou em pequenas quedas no fora-de-estrada.

A G 650 GS conta com suspensões de longo curso – na dianteira garfo telescópico de 170 mm de curso e ajuste na pré-carga e retorno. Na traseira, balança monoamortecida de 165 mm de curso e ajuste da pré-carga. As rodas raiadas deram lugar a modelos de liga leve, calçadas com pneus de uso misto - Metzeler Tourance EXP – que tiveram suas medidas aumentadas: 110/90 R 19 (D) e 140/80 R 17 (T). Este casamento (roda/pneu) deixou a moto mais macia, aparentemente com mais aderência em curvas e copiando com mais propriedade as irregularidades do piso. Portanto, mesmo sendo divertida e versátil, hoje a G 650 GS está mais para o asfalto que para a terra.

Com relação ao sistema de freio, o destaque da BMW “Made in Manaus” é a adoção do ABS (item de série). No asfalto, o conjunto garante frenagens seguras e progressivas do disco simples de 300 mm, na dianteira, e também do único disco de 240 mm da roda traseira, ambas com ABS. Uma dica, na terra, melhor desligar o freio ABS, que pode ser feito por meio de um botão que fica no punho esquerdo.

Estável em retas, com bom ângulo de inclinação nas curvas e um eficiente sistema de freios, a trail da BMW montada em Manaus (AM) é bem divertida de pilotar. Para finalizar, a nova versão da G 650 GS já está disponível na rede de concessionárias da marca em duas cores: vermelha e branca, com opção de banco preto ou bicolor preto/cinza. O preço sugerido é de R$ 29.800.

Ficha Técnica
Motor:
Monocilíndrico, 652 cm³, DOHC, quatro válvulas por cilindro e refrigeração líquida
Potência: 50 cv a 6.500 rpm
Torque: 6,1 Kgfm a 5.000 rpm
Câmbio: Cinco marchas; transmissão final por corrente
Alimentação: Injeção eletrônica; partida elétrica
Quadro: Tipo diamante
Suspensão: Garfo telescópico de 41mm de diâmetro e 170 mm de curso com ajuste de pré-carga e retorno (dianteira); Balança traseira de alumínio com amortecedor centralizado com 165 mm de curso
Freios: Disco simples de 300 mm de diâmetro na dianteira, disco simples de 240 mm de diâmetro na traseira, ambos com ABS
Pneus: Dianteiro 110/90-19; Traseiro 140/80-17
Dimensões: 2.185 mm x 905 mm x 1.160 mm (CxLxA); 780 mm (altura do assento)
Peso: 193 kg (175 kg a seco)
Tanque: 14 litros
Preço: R$ 29.800

Fotos: Mario Villaescusa e Divulgação



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Diavel ganha face-lift e motor mais eficiente

Teste: Yamaha Ténéré 250 encara Honda XRE 300

Teste: Harley-Davidson Street Bob vai bem na estrada

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste: KTM 1190 Adventure encara qualquer aventura

Teste: Traxx Fly 250 vem brigar no segmento trail

Teste: Honda NC 750X Razão, espaço e emoção

Teste: Yamaha Ténéré 250 encara Honda XRE 300

Teste: Diavel ganha face-lift e motor mais eficiente

Teste: Harley-Davidson Street Bob vai bem na estrada

Teste: Comparativo Flex Honda CB 300R x Yamaha Fazer 250

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: Honda NC 750X Razão, espaço e emoção

Primeiras impressões Honda NXR Bros 160: Por que não 200 cc?


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras