moto.com.br
Publicidade:

Motovelocidade

MotoGP: "A paixão nunca morreu", diz Valentino Rossi

Em entrevista, Rossi falou sobre a temporada 2013, dos momentos difíceis com a Ducati e de suas ambições

20 de February de 2013
Compartilhe este conteúdo:

A 18ª temporada de Valentino Rossi pretende ser o seu “renascimento”, alinhando mais uma vez a sua adorada Yamaha M1 após o complicado período com a Ducati Desmosedici. O ano de 2013 já despertou algumas emoções nos fãs, com Rossi se mostrando mais rápido desde o início do primeiro teste em Sepang.
Em uma entrevista exclusiva com a revista italiana Motosprint, o italiano falou em detalhes sobre as frustrações sentidas nos últimos dois anos, na alegria de voltar a uma equipe para se “divertir”, de amigos, de inimigos, de certezas e de esperanças. Sobre a partida da equipe italiana ele disse: “O meu passado fala por mim, com a Aprilia, Honda e Yamaha sempre tive a sorte de estar com a moto certa. Eu sei como vencer, mas talvez com a Ducati era só o que eu sabia.”

Agora é altura de voltar ao topo – não para provar a qualquer um, mas a si próprio. “Estou correndo por diversão, como sempre fiz, mas é claro que estou de volta à Yamaha com a ideia de bater as Honda com fiz há anos. Acho que a moto é muito mais fácil de pilotar que em 2009, a aderência e eletrônica são incríveis: a M1 é claramente uma moto para inclinar ao máximo!”

O regresso à fábrica de Iwata implica um desafio ao atual Campeão do Mundo Jorge Lorenzo, contudo Rossi só tem boas palavras para o espanhol: “O Lorenzo, apesar daqueles anos duros, tem sido muito simpático comigo. Ele, como o Pedrosa, me respeitam. Algo que o Stoner, e em parte o Dovizioso, não faziam. Comigo o Lorenzo foi sempre muito justo."

Rossi fala ainda da oposição: “No ano passado o Pedrosa teve uma segunda metade da incrível temporada e este talvez seja o seu ano. Ele está pronto. Por outro lado, ele tem um destino estranho porque sempre que está perto de conquistar o título acontece-lhe alguma coisa (vejam Misano 2012). Por falar no Dani, tenho de admitir que o Márquez é o único piloto em que verdadeiramente me revejo e é por isso que, mesmo sendo um dos meus oponentes, vejo muito de mim nele.”

O seu objetivo mínimo é vencer uma corrida, mas todos sabem que Rossi não ficará satisfeito: “A paixão nunca morreu. Agora sinto-me competitivo, mas para bater o Lorenzo e o Pedrosa ainda há muito o que trabalhar, especialmente no ritmo de corrida. Muitos pensam que devia parar, mas eu sei a verdade!”

Fotos: Divulgação



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

MotoGP: Marc Marquez vence o GP dos Estados Unidos

MotoGP: GP dos EUA acontece neste domingo (23/04)

SBK Brasil abre temporada 2017 na pista de Interlagos

Yamaha fatura 24 Horas de Le Mans com direito a dobradinha

Danilo Lewis garante liderança no Paulista de Motovelocidade

WSBK: Argentina entra no calendário 2018 com nova pista

MotoGP: Belas gatas no paddock do GP da Argentina

Yamaha fatura 24 Horas de Le Mans com direito a dobradinha

SBK Brasil abre temporada 2017 na pista de Interlagos

Danilo Lewis garante liderança no Paulista de Motovelocidade

Yamaha R3 Cup é a nova categoria para jovens pilotos

Aos 46 anos, Alex Barros retorna às pistas no SBK Brasil 2017

Entenda como funciona um Track Day

MotoGP segue com transmissão ao vivo no Brasil


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras