moto.com.br

Publicidade:

Moto Dicas

Você sabe comprar uma moto usada?

03 de February de 2010
Compartilhe este conteúdo:

Aldo Tizzani

Começar o ano de moto nova pode ser um bom negócio. A isenção da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) para as motocicletas “0km” de até 150 cc segue até o final de março, porém o financiamento ainda está restritivo. Se sobrou algum dinheiro do 13º salário, então uma opção é procurar uma usada em boas condições. Na maioria dos casos, o piloto opta por modelos de maior cilindrada. É a tal ascensão social sobre duas rodas. Para fechar um bom negócio, o motociclista precisa tomar alguns cuidados para não comprar “gato por lebre”. Confira abaixo o “be-a-bá” para adquirir uma moto seminova ou usada.

O primeiro passo é definir o volume de investimento e o modelo de sua preferência. Uma dica importante: a moto sempre deve combinar com o estilo de pilotagem, biótipo físico e, principalmente, tipo de uso. Não adianta comprar uma naked ou esportiva se o motociclista faz deslocamentos por estradas de terra. 

Antes de sair de casa, pesquise na internet e folheie jornais e revistas especializadas para verificar o preço médio da moto que você procura. Ligue para alguns anunciantes e marque uma visita para ver seu novo objeto de desejo. Depois vá até as lojas independentes e concessionárias mais próximas de sua residência. Se desconfiar de muitas facilidades ou preços abaixo da tabela, faça uma pesquisa junto aos órgãos de defesa do consumidor e verifique a idoneidade da empresa que quer lhe vender a moto. Fuja dos “micos”.

Se você não entende absolutamente nada sobre o assunto, então leve um amigo ou um mecânico de sua confiança para ver a moto. De cara verifique a aparência geral – pintura e pequenos amassados no tanque, paralamas e rabeta –, trincas e numeração do chassi, ferrugem, quilometragem, condições do kit de transmissão (corrente, coroa e pinhão), pneus e parte elétrica. Uma boa aparência, muitas vezes, é o principal fator para definir uma compra. Mas não é tudo!

Com a moto em funcionamento verifique se há algum barulho estranho no motor, possíveis vazamentos nas juntas e se o propulsor está queimando óleo. Todas as análises devem ser feitas durante o dia. Depois peça para dar uma voltinha para conferir a estabilidade e o comportamento das suspensões e freios. Com este raio-X fica mais fácil verificar se a moto foi “judiada”.

Documentação tem que estar em dia

Se o estado geral da  moto estiver dentro do esperado, então é a hora de verificar se a documentação está em dia. Com o número do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) em mãos, você pode fazer uma consulta no site do Detran de seu Estado. Veja se existem débitos, dívidas junto a instituições financeiras ou alienação. Além disso, confira o restante da documentação: Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), do seguro obrigatório (DPVAT) e certificado de registro e licenciamento do veículo. Outra precaução é verificar se a moto não consta no cadastro de veículos roubados.

Cuidado! Se o recibo de venda estiver rasurado, o reconhecimento da assinatura no documento não será efetuado pelo cartório. Se isso ocorrer o vendedor deverá pedir uma segunda via do documento ao proprietário da moto. Na hora do acerto, o certificado de transferência deve ser preenchido, datado e contar com firma reconhecida. A transferência do veículo deve ser realizada dentro do prazo de 30 dias, a partir da data do recibo de compra e venda.

Muita gente não sabe, mas no processo de transferência, o antigo proprietário deverá encaminhar ao órgão executivo de trânsito de seu Estado, dentro de um prazo de 30 dias, cópia autenticada do comprovante de transferência de propriedade, devidamente assinado e datado. Essa medida visa proteger o ex-dono do veículo de ter que se responsabilizar pelas penalidades impostas e suas reincidências até a data da comunicação.

Se o veículo está cadastrado na cidade de São Paulo, por exemplo, o Detran orienta que o condutor faça a Comunicação de Venda, seguindo os procedimentos disponíveis no site do órgão, acessando o ícone Veículos - Comunicação de Venda. Se o veículo estiver cadastrado em outro município, procure a Ciretran de registro da moto para obter informações sobre os procedimentos necessários.

Vistoria e dicas

Antes de comprar qualquer veículo, o Detran-SP orienta que o interessado solicite uma vistoria da moto junto ao órgão de trânsito. As informações estão dispivíveis no site www.detran.sp.gov.br - ícone Veículos - Vistoria. O procedimento é aparentemente simples. Levar ao setor de vistoria o veículo e os seguintes documentos: Original do CRV - Certificado de Registro do Veículo (documento de transferência); original do CRLV - Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo e RG original. O serviço é isento de taxa.

Há também no mercado empresas especializadas em vistoria e perícia cautelar de veículo. Este tipo de perícia impede que o cidadão adquira um veículo com adulterações nas numerações do chassi, motor ou câmbio. Assim, o consumidor que pretende comprar um carro ou moto usada deve se preocupar com a procedência do veículo que está adquirindo, pois a cada dia aumentam os tipos de adulterações. Ao compra de um veículo nestas condições, ou seja, com irregularidades, o consumidor pode amargar problemas futuros, que além de prejuízos financeiros pode, ainda, responder a processos criminais por estar de posse de um veículo que muitas vezes é produto de furto ou roubo.
 
Terceir Visão - www.terceiravisao.com -, Linces Vistorias - www.linces.com.br - e Boné Serviços de Inspeção - www.bonevistoria.com.br  - atuam neste segmento de vistoria e perícias.

Para Humberto Cury Sacchetto, da B&G Motos, loja multimarcas de São Paulo, procedência e qualidade do veículo são indispensáveis para uma boa compra. “Hoje, o consumidor deve exigir nota fiscal da revenda ou da loja, laudo técnico de inspeção e o certificado da inspeção veicular ambiental. Assim, o motociclista estará realizando um bom negócio, já que todos os requesitos - documental e mecânico da motos - estarão garantidos”, analisa o lojista com mais de 20 anos no ramo de comercialização de motos. 

Antonio Carlos Canova, da concessionária Yamaha Siri Motos, também de São Paulo, concorda com o lojista e acrescenta. “Verifique se o número do chassi foi adulterado. Confira se a documentação está em ordem e, por fim, veja o estado geral da motocicleta”, explica o gerente de vendas da revenda Yamaha, dizendo que hoje as motos usadas que deixam a concessionária tem três meses de garantia para motor e câmbio. Esta determinação está prevista no Código de Defesa do Consumidor.

Pesquise, pechicnche, negocie, peça desconto, exija garantias e depois de assinar o cheque, aproveite cada momento com sua nova moto. Mas não esqueça, procedência e garantia são fundamentais para uma boa compra.



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Pro Tork lança Powercore 2 para XR 250 Tornado e TTR230

Honda lança linha de capacetes 2015

ASW lança novo capacete Concept com avançada tecnologia

Calça Joker é novidade da Riffel para os motociclistas

Jaqueta ARX Verano II é indicada para grandes cidades

Insane 100% é nova opção Off Road da Pro Tork

EVS lança o R4 Pro, seu novo protetor de pescoço

Qual a hora certa para a troca de óleo?

Óleo ou graxa na corrente?

Saiba como escolher um capacete ideal para você

A lâmpada da sua moto vive queimando?

Detran.SP tem aplicativo para consulta de multas e pontos

CENTRO DE MOTOS ANTIGAS

Honda lança linha de capacetes 2015


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras