moto.com.br

Publicidade:

Moto Dicas

Pilotagem com segurança

25 de June de 2006
Compartilhe este conteúdo:
Os fanáticos por competições de motovelocidade não tiveram do que se queixar neste fim de semana: no sábado, a oitava etapa da MotoGP. No domingo, as emoções da sexta rodada dupla do Mundial de Superbike e a terceira corrida do Campeonato Brasileiro. Para fechar a programação, nada melhor do que algumas dicas de como pilotar uma moto de forma segura e com a técnica correta, seja na condução em pistas de corrida ou nas ruas e estradas.

Quem ensina o caminho das pedras é o renomado francês — radicado no Brasil — Hilaire Damiron, piloto profissional de Superbike 600 cilindradas e técnico em pilotagem. “Pilotar bem exige inicialmente muita atenção a todos os detalhes que envolvem o ato de guiar; desde ao bom preparo físico aos cuidados com a manutenção do veículo”, afirmou o instrutor.

“Todo bom piloto deve saber da importância de usar bons equipamentos de proteção e de ter o vestuário adequado ao tipo de uso e estilo da moto. Capacetes, botas, luvas, jaquetas, macacões e roupas especiais precisam ser escolhidos com critério e nem sempre o mais barato oferece a proteção mínima, assim como o mais caro não significa a garantia de qualidade. É necessário pesquisar o produto antes de comprá-lo. Às vezes uma conversa com pilotos mais experientes ajuda bastante”, destacou.

De acordo com Damiron, a vestimenta ideal para passeios em ruas e estradas é a tradicional roupa de couro. “Um belo conjunto de jaqueta, calça e botas de couro, sem esquecer do capacete, é o melhor para os pilotos de fim de semana. Não é preciso mais do que isso. Mas para aqueles que se interessam por adrenalina off-road, o cenário passa a ser outro: aqui, o fundamental é um capacete sem viseira dotado de protetor de queixo, óculos especiais de proteção, roupa de tecido leve e resistente, que facilite os movimentos e a transpiração, além de botas de cano longo, com reforço de aço nos bicos e fecho afivelado”.

Nos autódromos, o capacete esportivo com viseira é a primeira aquisição. “O macacão deve ser de couro, com reforços e protetores especiais para as costas, ombros, cotovelos e joelhos. As botas e luvas têm de ser de couro macio e com reforços especiais. Isso é importante para ajudar no desgaste físico que se sente numa corrida e para a segurança em caso de acidentes”, explicou.

Depois de bem protegido, as atenções se voltam para o equipamento. “Esse ponto vale mais para os pilotos de rua, porque aqueles que competem sempre estão acompanhados da equipe e contam com todos os aparatos de segurança. Por isso, o bom motociclista urbano é o que está sempre muito atento, equipado e com a moto em boas condições”, disse Damiron.

“Todo motociclista deve fazer uma inspeção periódica na moto, checando freios, embreagem, folgas em manetes e pedais, sistema elétrico (farol e pisca), calibragem dos pneus, ajuste dos espelhos e retrovisores, enfim, todos os itens que estão sujeitos a ‘imprevistos’ e que podem prejudicar a pilotagem e a segurança”.

A boa postura é outro fator que merece destaque. “Compreendem a boa postura: coluna ereta, braços relaxados, estando levemente dobrados para baixo, pés paralelos ao solo e sempre próximos ao freio e pedal de câmbio. São detalhes  fundamentais para reações mais rápidas e importantes para o menor desgaste do condutor”, ressaltou o instrutor.

Seja nas pistas ou nas ruas, uma questão que aflige a muitos corredores são as curvas. “Nelas, o principal segredo é entrar sempre em velocidade compatível com tipo de moto e piso. A mesma curva é muito diferente de ser feita com uma motocicleta super esportiva, uma custom ou uma trail. Cada uma delas tem seu limite. Saber disso é dever do piloto”.

Fazer uma curva envolve estudos da física. “Duas forças básicas atuam na moto: a da gravidade, que comprime a moto e o piloto contra o chão, e a força centrífuga, que empurra a moto para fora da curva. Essas grandezas agem sobre a suspensão e os pneus, e é do equilíbrio entre elas e da aderência dos pneus à superfície que depende uma curva bem feita”.

“Quanto maior e mais pesada for a motoca, mais ela sofrerá com a força centrífuga. O mesmo ocorre com a velocidade: quanto mais rápida, mais se sente o efeito da força centrífuga. E quanto mais fechada for a curva, maior será a ação dessa força”, explicou Damiron.

“O segredo de uma curva bem feita é reduzir a velocidade antes de ‘entrar’ nela. Se for necessário frear, use os freios dianteiro e traseiro ao mesmo tempo, antes da curva. O ideal é inclinar a moto e o corpo de acordo com a necessidade, manter a aceleração constante e aumentá-la somente depois de terminada a curva”, alertou.

Uma manobra que vale à pena conhecer, segundo Damiron, é a do “contra-esterço”. “Vamos usar a estrada como exemplo: ao fazer uma curva em velocidade alta, é normal se forçar o guidão para o lado de ‘fora’ do traçado. Essa manobra é chamada ‘contra-esterço’, uma reação natural ao efeito giroscópico das rodas”.

O efeito giroscópico surge em velocidade superior a 35 km/h e se torna mais intenso quanto maior for a velocidade. É um fenômeno físico criado pelo movimento giratório das rodas. Sua tendência é mantê-las em pé e rodando em linha reta enquanto existir
movimento e velocidade.

“A curvatura externa que existe nos pneus de motos também ajuda quando o piloto realiza o ‘contra-esterço’, eliminando a tendência da moto se manter em linha reta, forçando-a a se inclinar e ‘deitar’ para o lado de dentro da curva. Ao forçar levemente o guidão para o lado contrário ao da curva, o condutor facilita o controle da moto, equilibrando as forças que atuam sobre ela. Parece contraditório, mas o ‘contra-esterço’ serve para ajustar a motocicleta à velocidade e ao raio da curva, podendo fazê-la deitar mais ou menos, conforme a necessidade”.

“Quanto mais força de ‘contra-esterço’ o piloto aplicar sobre o guidão, mais a moto deitará e fechará a curva. A manobra é importantíssima para quem pilota em alta velocidade, mas também extremamente útil em situações normais”, garantiu.

Por fim, e não menos importante, entra a perícia e experiência do piloto. “É lógico que isso conta, e muito. Afinal, com o passar dos anos o motociclista desenvolve um estilo próprio de pilotagem e aprende a dominar melhor seu veículo”, concluiu.

Com essa breve aula em mente, só resta pegar a motocicleta e encarar aventuras. Lembrando, claro, do respeito às velocidades nas ruas e estradas.


Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Conjunto Off Road Insane 4 é novidade da Pro Tork

HYPERPRO: Kits de rebaixamento para motocicletas

MotoSky lança nova coleção de capacetes no país

Pro Tork lança Powercore 2 para XR 250 Tornado e TTR230

Honda lança linha de capacetes 2015

ASW lança novo capacete Concept com avançada tecnologia

Calça Joker é novidade da Riffel para os motociclistas

Qual a hora certa para a troca de óleo?

Honda lança linha de capacetes 2015

Óleo ou graxa na corrente?

CENTRO DE MOTOS ANTIGAS

A lâmpada da sua moto vive queimando?

Saiba como escolher um capacete ideal para você

Pro Tork lança Powercore 2 para XR 250 Tornado e TTR230


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras