moto.com.br
Publicidade:

Yamaha SCR 950 quer resgatar o passado com estilo

Fabricante japonesa pega carona na onda retrô para apresentar modelo com motorização V2 de 48,5 cavalos e aposta no estilo scrambler

10 de October de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Impulsionada pela onda retrô que, há alguns anos tem sido tendência no mercado de motos, a Yamaha apresentou recentemente mais um modelo de sua linha clássica: a SCR 950. Inspirada nos modelos scrambler dos anos de 1960 e 1970, a nova moto chegou recentemente às concessionárias do Canadá e Estados Unidos, onde o preço sugerido é de US$ 8.699 (cerca de R$ 28.500).

Valorizando o estilo clássico de décadas passadas, o design da nova SCR 950 remete às primeiras Yamaha DT 250 da década de 1970. Farol redondo, paralamas de alumínio, banco reto, guidão largo e um tanque sem emendas, que dá um charme especial, a nova scrambler japonesa adicionou alguns componentes modernos ao seu desenho atemporal.

A lanterna traseira manteve a forma arredondada das primeiras DTs, mas agora utiliza LEDs. O mostrador redondo do painel é simples, mas com tela de cristal líquido e informações digitais. As rodas raiadas têm aros de alumínio, as bengalas da suspensão traseira ganharam protetores em forma de sanfona e um estiloso “number-plate” na lateral da moto confere o charme scrambler à nova SCR 950.

Segundo a Yamaha, o modelo tem o objetivo de resgatar o tempo em que andar de moto era apenas se divertir com os amigos e se aventurar por aí como há 30, 40 anos. Curiosamente, a maioria do público alvo desses modelos não era nem mesmo nascido nessa época. Pois, assim como Ducati Scrambler e a Triumph Street Twin, a SCR 950 foca em um consumidor jovem, que se liga mais em estilo e design do que desempenho.

Baseada em uma custom
Derivada da custom Bolt, a SCR 950 utiliza o mesmo motor de dois cilindros dispostos em V a 60°, refrigerado a ar, com 942 cm³ - o mesmo V2 da XVS 950 Midnight Star, comercializada no Brasil. Com quatro válvulas por cilindro, o propulsor alimentado por injeção eletrônica produz modestos 48,5 cv de potência máxima a 5.400 rpm, porém o bom torque máximo de 7,47 kgfm já está disponível a 3.400 giros – o que se traduz em boa aceleração de 0 a 100 km/h, mas em velocidades máximas não tão empolgantes assim. Configuração adequada para a proposta da scrambler japonesa de ser uma moto divertida de pilotar na cidade e até encarar uma estrada de terra.

Mas o que chama mesmo a atenção no conjunto motriz é a transmissão final por correia dentada, típica das motos custom, mas rara (ou inédita) em um scrambler. A caixa de marchas tem cinco velocidades.

Ciclística revisada
Embora o chassi seja um duplo berço, como na Bolt, a SCR 950 traz um subquadro exclusivo, que elevou a altura do banco. Em conjunto com as pedaleiras mais centralizadas proporcionou uma posição de pilotagem mais típica de uma trail.

A roda dianteira manteve o mesmo diâmetro da versão custom (19 polegadas), porém a traseira aumentou para 17 polegadas. Dessa forma, o ângulo de cáster foi reduzido para 28,4° (na Bolt é de 29°). Tudo para que a nova Yamaha tenha mais agilidade nas mudanças de direção.

Os pneus Bridgestone Trail Wing, que equipa muitas big trails por aí, foram escolhidos para capacitar a SCR 950 a enfrentar estradas de terra batida com mais desenvoltura. O escapamento mais elevado completa o estilo “fora-de-estrada” dos anos 70.

Mercado
O segmento de “clássicas-modernas” está em alta na Ásia, Estados Unidos e na Europa - um indício de que a Yamaha deverá lançar a SCR 950 nos salões de motos europeus que irão acontecer até o final deste ano.

Embora ainda não tenha chegado com a mesma força no Brasil, alguns modelos retrô já estão à venda por aqui. A Ducati já comercializa a linha Scrambler e a Triumph vende a Street Twin e as derivadas da Bonneville no País. As fábricas japonesas, leia-se Honda e Yamaha, até agora têm ignorado o segmento, muito em função do baixo volume que não justificaria o investimento. Portanto, há poucas chances de vermos a SCR 950 por aqui.



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Ducati Odioso é um projeto ousado da Revival Cycles

Suzuki Intruder custom preparada na oficina de casa

Royal Enfield Classic 350 ganha customização Bobber pela Jedi Customs

Estúdio de tattoo Frantic Ink faz desconto especial para motociclistas

Bobber Tiny Bike é projeto para mulheres de Celio Dobrucki

Honda Rebel 500 surge com visual mais vintage dos anos 1970

Indian Motorcycle lança série Chieftain Jack Daniel´s Limited

Ducati Odioso é um projeto ousado da Revival Cycles

Oficinas para customizar sua moto

Suzuki Intruder custom preparada na oficina de casa

Oficina SR Corse Meccanica recria Ducati 999 Street Fighter

Harley-Davidson da Austrália mostra motos dos heróis da Marvel

Café Racer criada por Tarso Marques sai a partir de R$ 9.990

Celio Dobrucki customiza a clássica Indian Scout

Comentários

Galeria de vídeos

Galeria de Fotos

Anúncios em Super Destaque