moto.com.br
Publicidade:

Colunistas - Claudio Teixeira

Quais as diferenças nas categorias MX1 e MX2?

12 de April de 2013
Compartilhe este conteúdo:

Claudio Teixeira

Olá amigos internautas do moto.com.br,

Semana passada postei um comparativo entre as motos de 2 e de 4 tempos e acabou sendo um post interessante que gerou polêmica principalmente por parte dos amantes das motos 2 tempos, que, diga-se de passagem, eu também adoro!

Hoje gostaria de abordar as diferenças e características de pilotagem das categorias MX1 e MX2 e qual escolher.

Mesmo passados muitos anos de pilotagem no off road, às vezes ainda me pergunto qual seria a melhor opção para mim, já que não sou mais piloto profissional apesar da larga experiência no assunto.

Posso afirmar de cara que meus maiores e piores acidentes sempre foram a bordo das 250 2T e mais recentemente, o pior acidente de toda a minha vida a bordo de uma YZ 450 2012, portanto as MX1. Foram vários dias em coma e de UTI, fato este inédito em mais de 40 anos de minha carreira no motociclismo.

Muitas vezes os amigos me perguntam: qual moto devo comprar? Sou grande e pesado, mas nunca andei no motocross, ou ainda : a moto é para o meu filho que tem 18 anos e nunca foi para as pistas ou trilhas....enfim, são várias perguntas sobre o mesmo tema e que sempre me deixam em dúvida sobre o que indicar.

As motos de 125 cc 2 tempos sempre foram a melhor escola de pilotagem! Você aprende a andar lançado e a usar a pouca tração que ela oferece, ou seja, você aprende a controlar melhor as derrapagens, a frear mais dentro da curva, a não perder tempo nas retomadas controlando melhor o acelerador e a se acostumar mais com a velocidade. As motos de 250 cilindradas com motorização 4 tempos seguem na mesma linha excluindo-se alguns detalhes em relação à tração que nos motores 4 tempos se apresentam melhor. Seguindo a classificação por MX2 que é a categoria destas duas motos (125 2T e/ou 250 4T ), esta categoria muitas vezes chega a ser mais rápida do que a MX1 (250 2T e/ou 450 4T ) dependendo da pista e das condições de uso, mais especificamente em pistas de baixa velocidade e/ou travadas.

Na MX2 as motos são mais leves, mais maleáveis e mais fáceis de pilotar, contudo, exige maior preparo físico aeróbico por parte do piloto que anda o tempo todo no limite e sem tirar a mão.

Já na categoria MX1, as motos são brutas, mais pesadas e com muuuiiitto mais motor. A diferença é enorme em termos de respostas na pilotagem e certamente muito mais perigosas e difíceis de andar em um limite que parece não existir. Sempre obtive maior destaque e desempenho na categoria MX2 por ser magro, leve (nem tanto hoje em dia hahahaha), e de estatura mediana, mas de uns anos para cá (3 anos aproximadamente) só ando na MX1 e acabei viciando....Depois de meu grave acidente pensei inúmeras vezes em voltar para a MX2, mas eu desaprendi a andar nesta categoria, o que é ruim para o piloto!

A MX1 oferece tanto motor e respostas tão rápidas que me sinto lento ao andar na MX2. Fiquei vagabundo e acho que é o que melhor classifica os pilotos que viciam na MX1. Para um veterano como eu que não almeja ser campeão de mais nada, a MX1 parece perfeita, se desconsiderado o perigo que ela oferece. Nada de freadas muito agressivas dentro das curvas, nada de andar 100% do tempo de cabo enrolado, nada disso, tocada redonda, focando as retomadas, cuidando da tração nas saídas de curva, facilidades para emendar mesas e duplos porque motor é o que não falta....aliás, a categoria MX1 é o único esporte a motor do planeta em que os melhores pilotos pedem para tirar potência (a KTM até inventou a SX350 só para atender a estes inúmeros pedidos).

Mas sempre paira aquela dúvida no ar: E se eu montar numa MX2 bem trabalhada? Posso fazer o motor, cabeçote, escapamento, ignição, etc, etc e ter um mix das duas, ou seja, uma moto leve, maleável e que anda bem mais que uma MX2 original e nem tanto quanto uma MX1 original.... Parece uma boa alternativa, mas o vício que geram as MX1 em pilotar com sobra de motor são preocupantes. Cheguei a andar nas MX2 de alguns amigos e mesmo preparadas parecem estar com algum problema, pois a diferença de torque e potência são enormes.

Costumo dizer que as MX1 mandam a gente para o hospital sem aviso prévio e sem chance de defesa. Quando você se dá conta já está na maca do hospital. Não tem conversa e ponto!!!

Assim, até por questões de responsabilidade costumo dizer: Se você nunca acelerou no MX, não importa seu peso, tamanho ou idade, comece pela MX2 para se ambientar e depois de algum tempo migre vagarosamente para a MX1 com cautela e tendo em mente que ela é implacável contigo se você passar um pouco apenas que seja do seu limite.

Fica aqui a dica na minha coluna da semana!

Abraços e bom final de semana a todos!

Fiquem ligados porque este final de semana tem mais uma etapa do AMA Supercross!

Claudio Teixeira (Claudio Tex 21), é piloto veterano e detentor de títulos no Campeonato Paulista de Motocross, dono de um respeitável currículo no mundo das competições Off Road e atualmente é distribuidor dos Lubrificantes Motul. Mais informações no e-mail claudio@motuloil.com.br e no site www.motuloil.com.br

Fotos: Divulgação



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Confira os bastidores do Motocross das Nações 2016

Veterano Roque Colman acelera em Glen Helen

Moto Story resgata a história de grandes pilotos

AMA SX: Ryan Dungey levanta o troféu em Daytona

AMA SX: Ryan Dungey sai com vitória em Atlanta

AMA SX: Chad Reed é o grande vitorioso em Atlanta

AMA SX: Ryan Dungey sai com vitória em Arlington

Motos 2 ou 4 tempos, qual a diferença?

Alguns segredos dos ajustes de suspensões

Villopoto vence 10ª prova e fecha 2013 com chave de ouro

AMA SX 2009: Continua quente

AMA SX: Bubba vence e assume o 3º lugar no campeonato

AMA SX: Villopoto vence a 2ª etapa em Phoenix

AMA SX: Claudio Teixeira comenta 3ª etapa em Anaheim


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras