moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Suzuki GSX-S 1000 se impõe entre as streetfighters

04 de December de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Roberto Brandão Filho

Quem é apaixonado por motos, com certeza já ouviu falar da família GSX da Suzuki. Motocicletas agressivas, com características superesportivas que há 35 anos vem sendo fabricadas pela casa da Hamamatsu. Em 2014, a companhia nipônica apresentou diversos modelos dessa linha durante o Salão Internacional de Colônia (Intermot), na Alemanha. E um dos destaques foi a GSX-S 1000, a nova naked de alta cilindrada que carrega o DNA esportivo das máquinas de sua família.

Utilizando como base o famoso motor da GSX-R 1000 entre 2005 e 2008, no entanto reconfigurado para oferecer força também em baixos e médios regimes, ele foi projetado para proporcionar um desempenho esportivo, sem comprometer o conforto. Por isso, ao invés de utilizar a letra “R” após o GSX, que significa “Racer”, a Suzuki optou pela nomenclatura “S”, que vem de “Street Sport”. Isso significa que a moto é esportiva, mas voltada para o uso nas ruas, ou para o “mundo real”, como a própria fabricante enfatizou diversas vezes durante o lançamento, na Alemanha.

Design agressivo
Além de um motor de 1.000 cc derivado da superesportiva da família, a nova naked da Suzuki traz um design moderno e agressivo, quase selvagem. De acordo com a empresa, as linhas do novo modelo foram inspiradas em um animal selvagem em posição de ataque. As peças em plástico preto, combinadas com as partes pintadas, deixam seu visual ainda mais esportivo.

O farol dianteiro, de linhas angulares, conta com luzes de iluminação diurna em LED em sua parte inferior. O assento é bipartido, para dar um ar mais esportivo, e a parte traseira traz carenagens de estilo “dupla camada”, que também misturam peças pintadas na cor da moto e partes pretas. A lanterna traseira é em LED.

O painel de instrumentos, de luminosidade ajustável e tela de LCD, é totalmente digital. As informações contidas nele vão desde velocímetro e conta giros, até temperatura ambiente e do motor, indicador de marcha engatada, diversas informações de consumo de combustível (instantâneo, médio e autonomia), relógio e controle de tração selecionado. Nas laterais do painel, luzes espia de LED.

Motor superesportivo
O propulsor da nova Suzuki GSX-S 1000 é um tetracilíndrico de 999 cm³, DOHC (duplo comando de válvula) e de arrefecimento líquido, derivado do motor da GSX-R 1000 de 2005 a 2008. De acordo com a companhia, devido a arquitetura compacta da câmara de combustão, 73.4 mm de diâmetro e 59 mm de curso, o motor da GSX-S 1000 tem mais força em baixos e médios regimes, o que a torna mais “pilotável” dentro dos centros urbanos. Além disso, ele garante características esportivas durante todas as faixas de potência.

O propulsor, apesar de ser derivado da GSX-R 2005-2008, ganhou pistões 3% mais leves e os novos perfis de cames do comando de válvula otimizam a distribuição de torque desde as rotações mais baixas. Injetado, o motor recebeu também velas de irídio, cuja queima é mais eficaz. Um novo radiador ajuda a manter o motor na temperatura ideal, e o reservatório de expansão é mais compacto, deixando espaço para a exaustão do ar quente.

No lançamento da máquina, na Alemanha, a Suzuki enfatizou que essa nova naked é uma moto agressiva e esportiva, mas voltada para o “mundo real”. No entanto, ainda não liberou os números de potência e torque. Mas, por ser uma “Street Sport” e garantir maior racionalidade em sua tocada, é estimado algo em torno dos 155 cavalos de potência e 8,2 kgf.m de torque, de acordo com sites estrangeiros.
O modelo é equipado também com o sistema SDTV (Suzuki Dual Throttle Valve), que controla a mistura ar/combustível dos pistões. Tudo isso para garantir boa entrega de potência tanto em baixas, quanto em médias e altas rotações.

Além disso, a nova naked da casa da Hamamatsu traz controle de tração de três níveis. Segundo as informações da marca, o nível “1” é o menos atuante, voltado para pilotagem esportiva e boas condições de pista. Já o nível “2” é indicado para rodar na cidade, e o último, o “3”, é para ser utilizado em situações de chuva e condições ruins da pista. O sistema pode, também, ser desligado via botão no punho esquerdo – que também seleciona o nível desejado.

Ciclística
De acordo com a Suzuki, o projeto do chassi teve como foco o controle e a dirigibilidade em condições normais dentro da cidade e nas rodovias. Os tubos principais do chassi vão direto da caixa de direção até o pivô da balança traseira, construída em alumínio e herdada diretamente da superesportiva GSX-R 1000.

Para uma posição de pilotagem mais confortável e ao mesmo tempo esportiva, a Suzuki deixou a GSX-S 1000 mais esguia, de forma a proporcionar um melhor encaixe dos joelhos ao redor da moto. Combinada com a baixa altura do assento em relação ao solo, 815 mm, e com o guidão Renthal Fat Bar de alumínio – que proporciona uma posição de ataque – o piloto tem total controle sobre essa máquina.

Apesar de enfatizar a todo tempo que a nova GSX-S 1000 é voltada para o “mundo real”, a Suzuki equipou o modelo com suspensões de ponta. Na dianteira, garfo invertido KYB com tubos de 43 mm totalmente ajustável (retorno, compressão e pré-carga), dignos de motos superesportivas. Na traseira, monoamortecedor KYB com ajustes somente no retorno e na pré-carga da mola. O conjunto é suspenso por rodas de liga leve de alumínio, calçadas com pneus 120/70 na dianteira e 190/50 na traseira, ambas em rodas de aro 17.

Os freios também são topo de linha: pinças monobloco Brembo montadas radialmente. Na dianteira, duplo disco de 310 mm, mordido por pinça de quatro pistões opostos e na traseira, disco simples. Ambos contam com o auxílio do sistema ABS.

O novo modelo naked de alta cilindrada da Suzuki, a GSX-S 1000, já foi confirmada para o mercado nacional por João Augusto Oliveira de Toledo, que está à frente da J.Toledo Suzuki, representante da marca no Brasil. Segundo o executivo, a máquina deve chegar ao país no segundo semestre de 2015. No entanto, os preços em todos os mercados ainda serão anunciados, assim como os números de desempenho oficiais.



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Moto impressa em 3D tem motor da Kawasaki H2

Ducati tem nova tabela de preços para dezembro no Brasil

Yamaha MT-07 conta com novas cores para 2017

Mercado: Venda de motos cresce 13,27% em novembro

Detran.SP: Permissão internacional pode ser solicitada online

Manutenção correta do freio é sinônimo de segurança na moto

Honda CRF 1000L Africa Twin ganha ainda mais apelo Off Road

BMW apresenta a aventureira compacta G 310 GS

Nova Honda CBR 1000RR SP é puro sangue em rédea curta

Mudanças deixam Yamaha MT-09 mais radical para 2017

Suzuki V-Strom 250 2017 mostra a cara no Salão de Milão

Honda CRF 1000L Africa Twin chega nas lojas a partir de R$ 64.900

Yamaha promete inusitada Ténéré 700 para 2018

Honda revela nova custom Rebel 500 nos Estados Unidos


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras