moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Superação em duas rodas

10 de December de 2012
Compartilhe este conteúdo:

Motociclistas com deficiência mostram que com força de vontade e muita paixão é possível andar de moto 

 

Aladim Lopes Gonçalves

Pode parecer incompreensível e até piegas para alguns, mas a paixão pelo mundo das duas rodas é um sentimento tão forte e poderoso que tem o poder miraculoso de fazer as pessoas superarem e transcenderem as dificuldades que aparecem na vida, sobretudo para alguns motociclistas que, de uma hora para outra, se veem impossibilitados de andar de moto.

O caso do representante comercial Thiago Caro Cenjor, 32 anos, de São Bernardo do Campo (SP), é um bom exemplo do que o amor pelo motociclismo é capaz de fazer. A cadeira de rodas o afastou desse grande prazer por quase 10 anos, mas hoje ele não abre mão de praticar esportes e acelerar de moto e carro, inclusive nas pistas de asfalto e de terra.

Além das suas atividades profissionais e de seu engajamento social por melhores condições de acessibilidade para os deficientes, ele é piloto da equipe IGT, disputando corridas no campeonato Mini Challenge (categoria preliminar da Stock Car) juntamente com outros amigos cadeirantes e que também são pilotos.

A relação de Thiago Caro com o mundo da moto é antiga e vem desde os tempos que andava de Mobilete e foi crescendo com a participação em competições, como provas de rally e motocross no interior de São Paulo. Mas a expectativa de vivenciar grandes experiências em campeonatos e provas Off Road parecia ter chegado ao fim em 2001, quando foi baleado no roubo de sua moto e por causa das lesões acabou na cadeira de rodas.

Apesar da violência que sofreu e da perda do movimento das pernas, seu amor pelos veículos de duas rodas prevaleceu, e atualmente parece mais forte do que nunca. Tanto que sempre que consegue uma folga ou uma pequena brecha na sua rotina profissional, ele se reúne com os amigos para praticar o motocross, um de seus esportes favoritos.

Junto com amigos, como Paulo Polido e Fernando Fernandes, atleta tricampeão mundial de paracanoagem e piloto, Thiago Caro se aventura na pista de terra e levanta poeira de moto. O prazer de acelerar é grande e a adrenalina é maior ainda, pois ele e os amigos cadeirantes precisam que alguém segure a moto para que eles possam subir e descer.

Caso aconteça um desequilíbrio durante a pilotagem na pista, aí não tem jeito. O tombo é certo, mas o risco de cair não amedronta essa galera corajosa e sempre que surge uma oportunidade para acelerar de moto o coração fala mais alto e a sensação de prazer supera o medo e eles encaram o desafio.

“Viver essa experiência dá uma sensação de liberdade muito grande. É uma mistura de medo com alegria. Sou um verdadeiro maluco por velocidade, adrenalina e participar de competições é o meu objetivo”, diz Thiago Caro que busca novos apoios e patrocínios para sua equipe na temporada 2013.

A motocicleta Kasinski CRZ 150 estilo motard (trail) usada em suas aventuras evidentemente precisou passar por algumas modificações de acessibilidade nos comandos dos pés (câmbio e freio traseiro), que acabaram transferidos para o guidão e os punhos. O projeto de adaptação é do piloto Paulo Polido, que já tinha desenvolvido um kart adaptado.

Ele explica que o mecanismo é semelhante ao de uma motoneta Vespa, com a primeira marcha acionada para baixo no manete e as demais para cima. O freio traseiro com acionamento no pé direito funciona junto com o manete do freio dianteiro no punho direito, com uma distribuição de 30% na roda dianteira e 70% na traseira. Uma barra sobre o piloto no assento ajuda a manter o equilíbrio.

Segundo Thiago Caro, os pilotos estão satisfeitos com as funcionalidades da moto, mas reconhecem que ainda precisam ser feitas algumas melhorias, especialmente na parte de segurança do piloto. A meta é criar o primeiro campeonato de motocross adaptado do Brasil. “Conheço muitos cadeirantes assim como eu que só estão esperando nos montarmos uma corrida para participarem também”, destaca.

Nesse sentido, Fernando Fernandes revela que já está adiantado no projeto de adaptação da sua moto Honda CRF 450 para acelerar com os amigos e, quem sabe, disputar as futuras competições oficiais de motocross e rally. Todos seguem o exemplo de superação do piloto australiano Alan Kempster, que não possui braço e perna direitos e participa de provas de motovelocidade.

Motos adaptadas
Se por um lado, felizmente, já existem várias soluções de adaptações e acessibilidade para que os deficientes possam dirigir seu carro no trânsito sem maiores dificuldades, por outro lado há poucas opções, ou ainda são pouco conhecidas, as alternativas para que essas pessoas possam também pilotar uma moto.

Pensando nas necessidades dos motociclistas cadeirantes o engenheiro mecânico Miguel Marcio Moreno D’Agostino, de Belém (PA), desenvolveu o triciclo Free Way. O veículo utiliza como base um scooter (motoneta automática com partida elétrica e freio traseiro no guidão) que pode acomodar na posição do piloto uma cadeira de rodas com acesso ao triciclo por meio de uma rampa eletromecânica com controle remoto e acionamento no painel.

Entre outras funcionalidades, o triciclo adaptado possui freio de estacionamento e marcha a ré para manobras de baliza, permitindo que o veículo possa parar junto ao meio fio para baixar a rampa até o nível da calçada. Na traseira do triciclo adaptado ainda há um assento escamoteável para levar acompanhante, quando necessário. O espaço de 1,6 m de largura facilita as paradas do triciclo em vagas comuns de estacionamento.

Segundo Miguel Marcio, a grande sacada do seu triciclo é a liberdade que o veículo traz para os cadeirantes, pois a pessoa por si só entra, pilota e sai do veículo e ainda pode levar garupa. “Sabemos que após o trauma psicológico da paralisia a maioria dos motociclistas gostaria de voltar a pilotar e sentir o vento na cara", ressalta.

O veículo dispõe de dois itens opcionais, um guincho elétrico que pode ser usado para puxar a cadeira para dentro ou para fora no caso de regiões com aclives e declives acentuados e um pedestal removível de engate rápido para apoiar um assento padrão de motocicleta para uso de piloto e carona que não sejam cadeirantes.

O preço do triciclo Free Way fica na faixa de R$ 18 mil. Junto com o veículo o comprador recebe um laudo de inspeção veicular de segurança, nota fiscal de serviço de adaptação da motoneta para triciclo emitida por empresa homologada pelo Denatran para que as adaptações sejam registradas junto ao Renavam. Miguel Marcio diz conta que está negociando a representação do seu triciclo nos Estados Unidos.

Outra inovação de acessibilidade para motocicletas surgiu em uma conversa de oficina como uma espécie de aposta. O mecânico de motos Fabio de Oliveira Moreira, de Guarulhos (Grande SP), aceitou o desafio de um cliente que tem prótese na perna e precisava de uma adaptação no câmbio de sua moto para facilitar a pilotagem.

Usando muita criatividade e o motor de acionamento do vidro elétrico de um carro Fabio de Oliveira conseguiu transferir o acionamento do pedal para um botão controlado no punho do guidão. “Apesar da simplicidade do projeto, o resultado agradou muito”, afirma.

A notícia da adaptação da moto se espalhou com o vento e o mecânico diz que recebe vários e-mails de pessoas que gostariam de fazer alterações em suas motos para andarem com mais facilidade no trânsito. Ele informa que a instalação do sistema de câmbio no guidão custa em torno de R$ 800 e o serviço pode ser feito rapidamente.

De olho nesse nicho de mercado, Fabio de Oliveira diz que está desenvolvendo um sistema para colocar o acionamento do freio traseiro no guidão e no projeto de uma motocicleta com três rodas. Para promover os seus serviços ele apoia o piloto Vitor Santos que não tem parte da perna esquerda e faz shows de wheeling (manobras radicais de moto).

De acordo com Abridef (Associação Brasileira das Indústrias e Revendedores de Produtos e Serviços para Pessoas com Deficiência), existem atualmente no Brasil cerca de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. Somente no Estado de São Paulo esse número chega a 9 milhões. Dados que comprovam a necessidade e a viabilidade de produtos e soluções de mobilidade para esse público.

Autonomia e independência
Para Dirceu Diniz, consultor da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), dependendo do tipo de deficiência ou limitação que a pessoa tenha não há maiores problemas em andar de moto. Ele ressalta ainda que a possibilidade de poder se deslocar com seu próprio veículo é um sinal importante de independência e autonomia. “A atenção maior que a pessoa precisa ter é com as questões como estresse e fadiga no trânsito e seguir as orientações e recomendações médicas.”

Segundo o Detran.SP (Departamento Estadual de Trânsito), para tirar a carteira nacional de habilitação a pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida deve seguir o procedimento padrão para obter o documento, ou seja, fazer o treinamento no CFC (Centro de Formação de Condutores) e prestar os exames médico e prático.

A única diferença nesse processo é que o exame médico deve ser realizado por um profissional credenciado junto ao Detran. Esse profissional é que vai avaliar as condições da pessoa para conduzir moto ou carro e as adaptações necessárias. Essas especificações aparecem na CNH no campo Observações, segundo tabela que consta na resolução 267 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

Em relação ao veículo com adaptação, o Detran informa ainda que já existem triciclos especiais para a utilização por cadeirantes e que já saem de fábrica devidamente homologados e com cadastro junto ao Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores), requisito para o veículo poder circular em vias públicas.

Os veículos adaptados artesanalmente também podem ser utilizados por cadeirantes e pessoas com necessidades especiais. Nesse caso é necessário providenciar a homologação e cadastro no Renavam, em Brasília (DF), seguindo as orientações da resolução 63 do Contran para depois fazer o registro no Detran do seu Estado.

Para obter desconto ou isenção de impostos IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) na compra de um veículo adaptado novo a pessoa deve procurar a Receita Federal e montar um processo pleiteando o benefício. Para solicitar a dispensa da cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) e IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) do veículo especial, o condutor deve fazer requerimento na Secretaria de Estado da Fazenda. Os descontos concedidos para condutores deficientes podem chegar até 30%.

SERVIÇO
Thiago Caro Cenjor (www.equipeigt.com.br)
Triciclos Free Way (www.triciclosfreeway.com)
Fabio de Oliveira Moreira (motomonster12@hotmail.com)
Vitor dos Santos (www.100knela.blogspot.com.br)
Abramet (www.abramet.com.br)
Abridef (www.abridef.org.br)
Detran.SP (www.detran.sp.gov.br)

Fotos: Arquivo pessoal e Divulgação



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Moto impressa em 3D tem motor da Kawasaki H2

Ducati tem nova tabela de preços para dezembro no Brasil

Yamaha MT-07 conta com novas cores para 2017

Mercado: Venda de motos cresce 13,27% em novembro

Detran.SP: Permissão internacional pode ser solicitada online

Manutenção correta do freio é sinônimo de segurança na moto

Honda CRF 1000L Africa Twin ganha ainda mais apelo Off Road

BMW apresenta a aventureira compacta G 310 GS

Nova Honda CBR 1000RR SP é puro sangue em rédea curta

Mudanças deixam Yamaha MT-09 mais radical para 2017

Suzuki V-Strom 250 2017 mostra a cara no Salão de Milão

Honda CRF 1000L Africa Twin chega nas lojas a partir de R$ 64.900

Yamaha promete inusitada Ténéré 700 para 2018

Honda revela nova custom Rebel 500 nos Estados Unidos


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras