moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Pesquisa: Que moto comprar entre R$ 25 e R$ 30 mil

10 de October de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Seja para sair da casa dos pais, conseguir um emprego melhor, fazer aquele curso ou simplesmente comprar uma motocicleta de maior capacidade cúbica, a verdade é que todos nós precisamos evoluir. Para você que está nesta fase, a boa notícia é que o mercado brasileiro oferece diversas opções para estilos distintos. A má, entretanto, é a inevitável dúvida de qual delas comprar. 

Para ajudar nessa tarefa, vale a pena conferir esse guia de compras com motocicletas na faixa de R$ 25 a 30 mil, levando em consideração o preço sugerido pelas fabricantes. Além disso, fatores como perfil de piloto para cada moto, custos médios de seguro e de algumas peças de reposição também foram analisados nessa pesquisa. Agora é só escolher a melhor opção para suas necessidades e boa compra.

Honda CB 500X (R$ 25.000 com ABS)
Integrante mais cara da linha de 500cc da Honda, a CB 500X tem a proposta de ser uma moto para viagens mais longas. Para tanto, traz atributos que a diferenciam das versões naked e esportiva, como tanque com maior capacidade (17,3 litros) e suspensão dianteira com curso mais longo. O conforto é garantido pelo banco único com espuma generosa e a posição de pilotagem mais ereta do que em suas irmãs.

Visualmente, a CB 500X herda as linhas de outros modelos crossover da Honda como a NC 700X e a Crosstourer. Ou seja, a 500X tem visual aventureiro, mas vocação para asfalto, por conta das rodas de 17 polegadas com pneus de uso on-road.

O motor de dois cilindros paralelos com 471 cm³ vibra pouco e oferece um desempenho modesto (50,4 cv), mas com bastante torque em baixos giros e disposição para manter boas velocidades de cruzeiro condizentes com rodovias de trânsito rápido. Outro ponto forte desse bicilíndrico da Honda é o baixo consumo de combustível (em torno dos 25 km/l), o que, em conjunto com o tanque de 17 litros, projeta autonomia de até 400 km. Versátil, a Honda CB 500X não é grande ao ponto de atrapalhar seu uso urbano, e está disponível também em versão sem ABS por R$ 23.500.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 3.536
Pastilha de freio dianteira: R$ 321,00
Pastilha de freio traseira: R$ 122,30
Manete esquerdo: R$ 50,92
Pisca esquerdo: R$ 135,97
Retrovisor esquerdo: R$ 184,37
Conjunto óptico completo: R$ 460,63
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 145,00

Suzuki Gladius – (R$ 27.240)
A Suzuki Gladius 650 chegou recentemente ao nosso mercado e encontrou um cenário favorável, já que a categoria naked sempre foi bem aceita pelo público brasileiro. A Gladius tem estilo e seu propulsor “V2” é seu principal diferencial. Capaz de gerar 72 cavalos de potência máxima a 8.400 rpm e 6,52 kgf.m de torque aos 6.400 giros, seu desempenho não assusta os menos experientes e ainda oferece certa esportividade quando exigido.

A Gladius tem boa desenvoltura no trânsito e se sai bem em viagens, embora seu banco tenha uma fina camada de espuma. O consumo de combustível é bom, considerando ser uma motocicleta de média cilindrada: 21,2 km/l na cidade e 17,3 km/l em estradas, quando o motor trabalha normalmente em altas rotações. Dessa forma, seu tanque de combustível de 14,5 litros de capacidade tem uma autonomia média de 275,5 km/l.

No entanto, é simplista nos detalhes, e não traz muitos equipamentos eletrônicos. Seu painel de instrumentos é espartano e sem marcador de combustível, por exemplo.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 4.269
Pastilha de freio dianteira: R$ 480,00
Pastilha de freio traseira: R$ 480,00
Manete esquerdo: R$ 160,00
Pisca esquerdo: R$ 436,00
Retrovisor esquerdo: R$ 610,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.857,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 198,00

Honda NC 700X – (R$ 27.490 standard e R$ 29.990 com ABS)
Uma palavra ajuda a definir a Honda NC 700 X: racional. O modelo usa motor de dois cilindros com 669,6 cm3 que gira muito pouco. A potência máxima de 52,5 cv aparece a 6.250 rpm e o torque de 6,4 kgf.m já a 4.750 giros. Na prática, são números que levam essa crossover a velocidade máxima de 170 km/h. O corte de giros ocorre nos 6.500 giros o que exige atenção do piloto nas ultrapassagens e retomadas de velocidade, sobretudo ao reduzir marchas. Em contrapartida, tem consumo que pode superar os 30 km/litro – dependendo da tocada do piloto.

Ela ainda oferece um prático porta-capacetes no lugar do falso tanque. Aliás, o tanque de combustível fica sob o banco enquanto seu bocal está alojado sob o banco da garupa – um incômodo se você amarrar a bagagem em viagens, pois é preciso retirá-la para abastecer. Nela, o piloto vai em uma posição ereta, protegido pelo pequeno, mas eficiente, para-brisa.

É uma moto destinada aos motociclistas que dispensam o comportamento esportivo, mas buscam uma moto que permita viagens – pelo asfalto – nos finais de semana e seja capaz de encarar os congestionamentos diários. Outro ponto positivo é que mesmo a versão com sistema de freios C-ABS sai por menos de R$ 30 mil.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 3.987
Pastilha de freio dianteira: R$ 301,44
Pastilha de freio traseira: R$ 480,00
Manete esquerdo: R$ 166,37
Pisca esquerdo: R$ 62,55
Retrovisor esquerdo: R$ 142,88
Conjunto óptico completo: R$ 1.161,20
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 156,56

Yamaha XT 660R – (R$ 28.260)
A XT 660R é uma bigtrail à moda antiga. O guidão bem largo oferece uma posição de pilotagem de ataque, com os braços abertos e o tronco projetado a frente. Excelente para enfrentar terrenos acidentados e o fora-de-estrada, mas que cansa em longas viagens. O banco, estreito e fino, e a ausência de carenagem também não ajudam em longos percursos.

Empurrada por um confiável monocilíndrico com refrigeração líquida, seus 48 cv de potência mantém boa velocidade de cruzeiro na estrada – apesar da falta de conforto. Por outro lado, a 660R é uma motocicleta bastante versátil e roda bem em trechos urbanos.

Equipada com freio a disco nas duas rodas raiadas, a XT 660R não oferece freios ABS nem como opcional e traz poucos equipamentos. Apenas um painel digital de fácil leitura, mas que não tem nem mesmo marcador de combustível. Aliás, esse é um dos calcanhares de Aquiles da 660R: sua baixa autonomia. O tanque comporta 15 litros, porém o comportamento agressivo do monocilíndrico “obriga” o piloto a acelerar e manter os giros altos, deixando o consumo entre 18 e 21 km/l.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 3.245
Pastilha de freio dianteira: R$ 463,70
Pastilha de freio traseira: R$ 382,60
Manete esquerdo: R$ 80,80
Pisca esquerdo: R$ 226,20
Retrovisor esquerdo: R$ 70,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.032,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 201,00

Kawasaki Ninja 650 – (R$ 28.390)
A Ninja 650 é uma sport-touring. Prova disso é sua última reformulação em 2012, quando perdeu o “R” de “Racing” em seu nome e ganhou alterações importantes que enfatizam sua vocação para viagens. O motor de dois cilindros paralelos de 649 cm³ arrefecido a líquido teve sua taxa de compressão revista e ganhou novos dutos de admissão para melhorar o desempenho em baixos e médios regimes. A potência máxima é de consideráveis 72,1 cv, enquanto o torque atinge o máximo de 6,5 kgf.m a 7.000 giros, o que exige poucas mudanças de marchas e resulta em conforto. No entanto, a vibração pode incomodar a quem não está acostumado aos bicilíndricos.

Esses números sobram na cidade, e não fazem feio na estrada. A velocidade cresce aos poucos, linearmente, e não assusta. Aliás, a carenagem permite rodar a 120 km/h sem nenhuma interferência do vento, com a contribuição do para-brisa manualmente ajustável em três níveis. O conforto também é garantido pelas suspensões macias, mesmo com dois ocupantes. E ainda traz um painel completo e de fácil leitura. Além do marcador de combustível, a Ninja 650 conta com um pequeno computador de bordo que informa consumo médio e instantâneo, além da luz “ECO”, que acende quando o piloto está pilotando de uma forma que economiza combustível. Indicada para quem gosta de motos carenadas e pretende pegar estrada. Já a versão com freios ABS sai por R$ 30.990.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 9.953
Pastilha de freio dianteira: R$ 240,00 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 220,00
Manete esquerdo: R$ 74,00
Pisca esquerdo: R$ 246,00
Retrovisor esquerdo: R$ 260,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.270,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 196,00

Yamaha XJ6N – (R$ 28.890 standard e R$ 29.490 SP)
A Yamaha XJ6 N é a única naked equipada com motor de quatro cilindros em linha presente nessa lista, o que já atrai a atenção de muitos motociclistas. No entanto, ela segue o conceito mais racional, que prioriza a facilidade de condução para atrair jovens e pilotos com menos experiência.

Seu motor é “manso” e com bastante torque em baixas e médias rotações. Seu propulsor oferece 77,5 cv a 10.000 rpm e torque máximo de 6,09 kgf.m a 8.500 rpm. O chassi é feito em aço e o conjunto de suspensões é convencional. Tudo para ficar mais acessível ao bolso. Outro quesito que torna a XJ6 N uma opção interessante é a economia de combustível. Por rodar bem em baixas rotações e mostrar força já nas faixas iniciais de giro, ela consome pouco, em torno dos 21,8 km/l.

Portanto, se o que você procura é uma moto amigável para o dia a dia, com capacidade para pegar estradas e ainda com aquele “ronco” das quatro cilindros, ela pode ser perfeita para você. E também está disponível em uma edição especial, com visual mais esportivo, por R$ 29.490. As versões com freios ABS saem por R$ 31.990 e R$ 32.590, respectivamente.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 4.899
Pastilha de freio dianteira: R$ 310,00 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 283,00
Manete esquerdo: R$ 142,00
Pisca esquerdo: R$ 87,00
Retrovisor esquerdo: R$ 186,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.060,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 120,00

Suzuki Burgman 400 – (R$ 29.100)
O veterano Suzuki Burgman 400 – chegou aqui em 2001 – é equipado com motor de um cilindro, capaz de superar os 150 km/h por conta dos seus 34 cv a 7.000 rpm de potência e os 3,7 kgf.m de torque a 5.800 giros. Seus grandes atrativos são o conforto do banco anatômico, largo e coberto por uma generosa camada de espuma, além do vasto espaço para bagagens debaixo do assento, complementado pelos dois porta-objetos junto ao painel.

Como um bom maxiscooter, o Burgman 400 traz câmbio CVT, posição de pilotagem confortável, com os pés separados pelo túnel central. Já a proteção contra chuva e o vento é propiciada pelo grande para-brisa enquanto o escudo frontal protege as pernas do piloto.

Suas rodas de pequenas dimensões (aro 13 na traseira e 14 na dianteira) são um problema para enfrentar pisos irregulares. Embora os pneus sem câmara e com desenho esportivo garantam curvas com segurança e ousadia. O maxiscooter conta também com sistema de frenagem combinada (CBS), que aciona o freio dianteiro caso o piloto aperte apenas o manete do freio traseiro.

Quem pensa em ter um Burgman 400 na sua garagem deve saber que ele exige manutenção criteriosa. Por conta de seus muitos encaixes plásticos não tolera estradas esburacas ou donos relaxados.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 2.183
Pastilha de freio dianteira: R$ 450,00 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 411,00
Manete esquerdo: R$ 115,00
Pisca esquerdo: R$ 1.570,00
Retrovisor esquerdo: R$ 480,00
Conjunto óptico completo: R$ 3.140,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 120,00

Kawasaki ER-6n – (R$ 29.390 com ABS)
Com uma proposta urbana, a Kawasaki ER-6n tem motor bicilíndrico com bom torque em baixas rotações e fôlego para girar alto. Com 649 cm³ de capacidade, o propulsor tem refrigeração líquida, duplo comando no cabeçote (DOHC), e oferece 72,1 cv de potência e 6,5 kgf.m de torque. A tocada é confortável na cidade, com poucas trocas de marchas e sem sustos.

A ER-6n ainda tem visual harmonioso e moderno, principalmente no conjunto óptico frontal que traz o painel embutido. As suspensões têm bom curso para o uso urbano e a posição de pilotagem ereta com o guidão largo também é confortável. O painel completo com computador de bordo traz informações precisas sobre a autonomia e consumo e fazem dessa naked uma das motos mais práticas do mercado. Serve tanto para uso diário como encara viagens sem problemas – claro que a ausência de carenagem não permite velocidades muito altas por muito tempo, mas para rodar até 120 km/h o conjunto óptico desvia bem o vento. A ER-6n tem ganchos sob o rabeta para se amarrar bagagem em viagens. E o tanque, com 16 litros de capacidade, proporciona uma autonomia em torno de 340 km – o consumo médio varia entre 21 e 22 km/litro. Em 2014, só está à venda o modelo com freios ABS.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 10.043
Pastilha de freio dianteira: R$ 185,38 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 220,10
Manete esquerdo: R$ 77,12
Pisca esquerdo: R$ 156,42
Retrovisor esquerdo: R$ 236,60
Conjunto óptico completo: R$ 1.156,02
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 210,00

Yamaha XJ6 F – (R$ 29.490)
Se você é fã de motores com quatro cilindros e tem R$ 30 mil para gastar e pensa em uma moto carenada , a média da Yamaha pode ser opção. Aliás, a carenagem é mais do que estética, pois protege contra o vento em uma estrada e, por conta disso, pode até ajudar a diminuir o consumo de gasolina 7%, em comparação com sua versão naked.

Embora tenha 10 kg a mais, a versão F (196 kg a seco) mantém a mesma largura e não perde agilidade no trânsito urbano. O ganho de peso, inclusive, deixou a roda dianteira fica mais estável e menos sujeita à perda de contato do pneu com o solo. Seja em acelerações bruscas na passagem por ondulações no asfalto ou mesmo viajando a velocidades mais elevadas.

Portanto, mais do que estilo, dependendo do uso, optar pela carenada pode ser essencial na escolha da moto ideal para você. A XJ6 F também está disponível com freios ABS por R$ 32.590.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 7.152
Pastilha de freio dianteira: R$ 320,00 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 265,00
Manete esquerdo: R$ 135,00
Pisca esquerdo: R$ 81,00
Retrovisor esquerdo: R$ 392,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.792,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 184,00 

BMW G650 GS – (R$ 29.800 com ABS de série)
A G 650 GS é a porta de entrada da BMW no Brasil. Seu propulsor de um cilindro e 652 cm³, duplo comando no cabeçote (DOHC) e refrigeração líquida é capaz de produzir 50 cv de potência, sua qualidade é mesmo o torque em baixos giros que atinge o ápice de 6,1 kgf.m já a 4.800 rpm.

É uma moto para quem gosta de monocilíndricas, já que é ruidosa e vibra bastante em determinadas faixas de rotação. Bom para acelerar, mas decepcionante para quem busca velocidade final: a BMW declara 170 km/h de máxima. Seu consumo é razoável, cerca de 20 km/l o que pode resultar em mais de 350 km de autonomia.

Bons números para quem busca uma moto versátil para uso urbano e viagens, também porque o banco é baixo (78 cm do solo) e confortável. Além disso, a G 650 GS roda em estradas de asfalto e de terra com desenvoltura em função de sua ciclística com suspensões de longo curso e roda dianteira de 19 polegadas – mas de liga-leve. Como essa BMW, montada em Manaus, vem com para-brisa, freios ABS (desligável) e aquecedor de manopla de série.

Quanto custa manter uma?
Seguro(em média): R$ 2.621
Pastilha de freio dianteira: R$ 568,00
Pastilha de freio traseira: R$ 378,00
Manete esquerdo: R$ 727,00
Pisca esquerdo: R$ 239,00
Retrovisor esquerdo: R$ 370,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.279,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 287,00

Yamaha XT 660Z Ténéré – (R$ 29.920)
Se você gosta da XT 660R, mas lamentou sua limitação para longas viagens, a Ténéré 660Z é a sua moto. Com a mesma base mecânica – quadro e motor – a Ténéré traz um banco mais confortável, para-brisa e tanque maior, com capacidade para 23 litros. Tudo para enfrentar aventuras sem se preocupar muito com o caminho, afinal suas rodas também são raiadas e os pneus de uso misto. As suspensões de longo curso garantem a absorção dos obstáculos e uma pilotagem segura no fora-de-estrada.

O desempenho do motor é bastante semelhante, mas a Ténéré tem um mapeamento da ECU e uma caixa de ar diferentes da XT 660R, o que acaba alterando seu comportamento, deixando-a menos brusca. Mas o que muda mesmo é a ergonomia e o conforto, melhores na Ténéré. Outra grande diferença é o painel, bem mais completo na Ténéré, com conta-giros analógico e marcador de combustível.

Porém, se você for rodar muito na cidade, leve em consideração o peso maior na Ténéré e seu porte mais avantajado. Outro item importante é a altura do banco (896 mm). Entretanto, a Yamaha lançou recentemente a opção de freios ABS para a Ténéré e, segundo a fábrica, a altura do assento é menor nessa nova versão, assim como o curso das suspensões. O Valor, no entanto, é maior: R$ 32.990.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 3.640
Pastilha de freio dianteira: R$ 391,07 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 309,29
Manete esquerdo: R$ 160,46
Pisca esquerdo: R$ 121,46
Retrovisor esquerdo: R$ 65,07
Conjunto óptico completo: R$ 1.239,81
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 130,00

Honda Shadow 750 – (R$ 29.900)
A Honda Shadow 750 é a única opção na faixa de R$ 25 a R$ 30 mil para os motociclistas apaixonados por motos da categoria custom. Seu design, inspirado no estilo chopper, é o principal atrativo para conquistar a clientela, mas não o único. Paralamas compactos, banco estreito, guidão alto e um pouco curvado para dentro, escapamento duplo cromado são outros pontos marcantes.

Apesar de ter um conjunto de freios um tanto espartano, a versão da Shadow 750 que entra neste guia usa tambor na traseira, seu sistema de transmissão final é um dos diferenciais. Feita por eixo-cardã, exige pouca manutenção e garante maior conforto para os passageiros por não emitir ruídos mecânicos. Com 835 mm de largura, ela também em trechos urbanos sem grandes problemas.

A caixa de câmbio de cinco velocidades, de acionamento suave e preciso, é usada poucas vezes, mesmo na cidade, devido ao bom torque da motocicleta em baixos e médios giros. Por esse motivo, também, seu propulsor de dois cilindros em “V” de 745 cm³ consome pouco: 19,7 km/l, em trajetos nas ruas de São Paulo e nas rodovias do Estado. Para quem quiser a segurança do freio ABS, uma versão está disponível por R$ 32.400.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 2.250
Pastilha de freio dianteira: R$ 242,00
Pastilha de freio traseira: R$ 167,40
Manete esquerdo: R$ 61,70
Pisca esquerdo: R$ 160,40
Retrovisor esquerdo: R$ 323,30
Conjunto óptico completo: R$ 976,80
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 172,78

Kawasaki Versys – (R$ 29.990)
Embora a Kawasaki Versys traga versatilidade no nome, suas rodas de liga leve e os pneus esportivos gostam mais do asfalto do que da terra. Seu motor é o mesmo da naked ER-6n e da Ninja 650, mas produz 64 cv de potência máxima a 8.000 rpm e 6,2 kgf.m de torque máximo a 6.800 rpm. Tem mais torque em baixa e as acelerações de 0 a 100 km/h ficam mais divertidas.

As suspensões têm bom curso e trazem especificações suficientes para enfrentar os obstáculos do dia a dia, como valetas, lombadas e buracos. Mas, não são completamente adequadas para uma estrada de terra com muitas imperfeições. No uso urbano, a Versys é ágil nas mudanças de direção e na estrada, contorna curvas com desenvoltura e firmeza. O banco e a posição de pilotagem ereta garantem conforto em viagens, assim como a bolha, ajustável com chave em três posições diferentes, oferece proteção. Aerodinâmica. Há ainda a versão com ABS disponível por R$ 32.990.

Quanto custa manter uma?
Seguro (em média): R$ 2.756
Pastilha de freio dianteira: R$ 203,00 (cada lado)
Pastilha de freio traseira: R$ 242,00
Manete esquerdo: R$ 90,00
Pisca esquerdo: R$ 172,00
Retrovisor esquerdo: R$ 279,00
Conjunto óptico completo: R$ 1.120,00
Troca de óleo + filtro + mão de obra: R$ 253,50 



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Moto impressa em 3D tem motor da Kawasaki H2

Ducati tem nova tabela de preços para dezembro no Brasil

Yamaha MT-07 conta com novas cores para 2017

Mercado: Venda de motos cresce 13,27% em novembro

Detran.SP: Permissão internacional pode ser solicitada online

Manutenção correta do freio é sinônimo de segurança na moto

Honda CRF 1000L Africa Twin ganha ainda mais apelo Off Road

BMW apresenta a aventureira compacta G 310 GS

Nova Honda CBR 1000RR SP é puro sangue em rédea curta

Mudanças deixam Yamaha MT-09 mais radical para 2017

Suzuki V-Strom 250 2017 mostra a cara no Salão de Milão

Honda CRF 1000L Africa Twin chega nas lojas a partir de R$ 64.900

Yamaha promete inusitada Ténéré 700 para 2018

Honda revela nova custom Rebel 500 nos Estados Unidos


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras