moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Moto é sinônimo de economia de tempo e dinheiro

Substituir o automóvel e o transporte público pela motocicleta pode ser uma solução eficiente para economizar nas despesas e reduzir a duração das viagens

21 de July de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Substituir o automóvel e o transporte público pela motocicleta pode ser uma solução eficiente para economizar nas despesas e reduzir a duração das viagens

 
Aladim Lopes Gonçalves 
 
Andar de moto pode ser considerado um verdadeiro prazer e até uma grande diversão para os fãs de veículos de duas rodas, mas também pode ser um eficiente e revolucionário meio de transporte nos tempos atuais, sendo capaz de permitir um deslocamento com mais versatilidade no trânsito das grandes cidades e garantindo uma economia e tanto para o bolso de quem precisa usar o automóvel ou depende do transporte público para ir de casa para o trabalho.
 
As vantagens na economia de tempo e dinheiro não chegam a ser nenhum tipo de mistério, pois a cada aumento dos combustíveis e das tarifas no transporte público fica mais nítido o aumento do número de motocicletas nas ruas. As pessoas que já adotaram a moto como meio de transporte reconhecem os benefícios dos veículos duas rodas e fazem propaganda de sua experiência positiva.
 
Além da sensação de liberdade e da significativa redução no tempo gasto na dura rotina de ir para o trabalho, ou para o local de estudo, deixando para trás os longos congestionamentos e os ônibus e trens apertados, ter uma motocicleta fica ainda mais interessante quando se faz as contas na ponta do lápis para verificar a economia com os gastos de combustível.
 
Depois de ouvir muitas dicas de amigos e colegas de trabalho a respeito das vantagens de andar de motocicleta, o analista e desenvolvedor Java, Eduardo Silva, se convenceu que a migração dos veículos de quatro rodas para as duas poderia ser uma ideia interessante para ganhar mais agilidade durante a sua longa jornada diária de casa para o trabalho.
 
1º Caso - Na Estrada 
Saindo todo dia, logo cedo, de Praia Grande, no litoral de São Paulo, rumo à zona sul da cidade de São Paulo, cobrindo uma distância de 80 km e levando em média, entre duas e três horas, por trecho, Eduardo Silva decidiu fazer motoescola. Depois de frequentar o curso e, finalmente, conseguir sua carteira, ele tratou de investir em seu primeiro veículo de duas rodas.
 
Assim como é recomendado para a maioria dos motociclistas recém-habilitados, sua opção foi por um modelo scooter, que oferece vantagens pela facilidade de condução nos moldes de um carro automático, em que só necessário acelerar e frear, e por oferecer porta-objeto sob o assento, com espaço para guardar equipamentos, como capacete e capa de chuva.
 
Depois de alguns meses usando e se adaptando ao seu scooter Dafra Citycom, Eduardo Silva ressalta que essa mudança de quatro para duas rodas foi radical e foi para melhor, “muito melhor!” Isso porque ele desembolsava cerca de R$ 1.000 por mês com combustível para o carro no deslocamento de casa para o trabalho. Além disso, tinha que encarar entre duas e três horas de trânsito em trechos de rodovias e avenidas no perímetro urbano.
 
Já com a moto, as despesas com combustível despencaram para cerca de R$ 400 por mês andando no mesmo trajeto, o que representa uma economia de 60% no abastecimento. Fora essa significativa queda nos gastos, o programador ainda reduziu o tempo na viagem, que com o scooter passou a ser feito em um período de tempo entre 1h e 1h30. Isso equivale uma redução de até 75% no tempo gasto nesse percurso.
 
“Depois da mudança de carro para moto, percebi que o dia acabou sendo mais proveitoso. Posso passar um tempo maior na academia e consigo me dedicar mais aos estudos, que eram coisas que eu tinha dificuldade de fazer porque gastava muito tempo na viagem e chegava em casa cansado”, afirma Eduardo Silva.
 
A opção por andar de moto também é bastante atraente para as pessoas que utilizam o transporte público (ônibus, metrô e trem, por exemplo) como meio de transporte para o deslocamento de casa no trabalho, especialmente para quem trabalha em horário comercial, que normalmente concentra os piores índices de congestionamento no trânsito.
 
Na cidade de São Paulo a tarifa do transporte público em geral é de R$ 3,50 e a passagem de integração, que permite combinar o ônibus com metrô e trem, sai por R$ 5,45. Quem é usuário do sistema ainda precisa estar bem disposto e preparado para encarar a grande aglomeração de pessoas e a sensação de aperto que fica dentro do espaço destinado aos passageiros.
 
A realidade do transporte público em São Paulo, assim como em outras grandes cidades, é bastante complexa e carece de maior atenção, pois o cidadão acaba pagando por um serviço deficiente e que o faz chegar ao seu destino ou local de trabalho em condições de estresse e fadiga. O drama começa antes mesmo de sair de casa, já que é importante ficar atento aos horários da condução para não perder a hora e chegar atrasado aos compromissos.
 
Um tipo de situação que fez parte da rotina do consultor de negócios Rafael Ambrósio, que mora e trabalha na cidade de São Paulo, e que tinha um gasto de R$ 218 por mês com ônibus e trem para ir de casa, no Grajaú, até o trabalho, na Chácara Santo Antônio, no bairro de Santo Amaro. O trajeto ida e volta soma uns 50 km e despendia cerca de 2h em cada trecho.
 
2º Caso - Na Cidade   
Atento às dicas de colegas e amigos, Rafael Ambrósio resolveu investir em uma Yamaha XTZ 150 Crosser, modelo compacto de 150cc com perfil trail e motor flex, na expectativa de ganhar tempo nos deslocamentos. Mas o benefício não ficou apenas de redução na viagem que chegou a 75%, passando a ser feita em cerca de 30 minutos. A mudança também foi extremamente benéfica para o seu bolso, pois o gasto com o abastecimento da moto com etanol fica em torno de R$ 80 por mês, o que representa uma economia de pelo menos 60% em relação às despesas que tinha no transporte público.
 
“A moto também trouxe mudanças no meu estilo de vida. Agora ando sempre equipado com capacete, jaqueta, luvas e botas, que são equipamentos importantes para garantir a segurança e ao mesmo tempo fico com um visual bacana no trânsito. Fiquei duplamente satisfeito porque desde o início eu queria ter uma moto flex para usar etanol e dar a minha contribuição para melhorar o meio-ambiente”, destaca o consultor.
 
Aproveitando o forte apelo das motos como solução de economia, sobretudo, em tempos de crise, foi lançada por um fabricante a campanha publicitária O momento pede uma Honda, com um vídeo bem-humorado de circulação nacional que mostra um homem com semblante de preocupação, ouvindo mensagens com os problemas do dia a dia, como gasolina cara, falta de dinheiro, trânsito ruim, dificuldade de chegar em casa... A solução, finalmente, surge quando ele coloca o capacete e as mensagens com os problemas desaparecem de vez e ele fica mais tranquilo. A mensagem deixa claro que a moto pode dar uma boa contribuição para a melhoria da qualidade de vida das pessoas.
 
- Confira o vídeo da Honda sobre economia com moto
 
 
Como as grandes cidades brasileiras estão cada vez mais repletas de automóveis e ainda não contam com um sistema de transporte público capaz de atender as necessidades das pessoas em relação a aspectos de agilidade, conforto e segurança, a motocicleta se apresenta como uma alternativa para enfrentar os problemas urbanos e ainda economizar tempo e dinheiro. Com uma frota nacional de mais de 20 milhões de motos e crescendo a cada ano, parece que cada vez mais pessoas estão descobrindo as vantagens de levar a vida em duas rodas.
 
NA PONTA DO LÁPIS
 
Trajeto: Praia Grande – São Paulo (Brooklin)
Distância (ida e volta): 160 km
Combustível (mensal): R$ 1.000 (carro) / R$ 400 (moto)
Duração: Entre 2h e 3h (carro) / Entre 1h e 1h30 (moto)
 
Economia
Combustível – R$ 600
Tempo – Até 2h a menos
 
Trajeto: Grajaú – Santo Amaro
Distância (ida e volta): 50 km (ida e volta)
Transporte (mensal): R$ 218 (ônibus/trem) / R$ 80 (moto)
Duração: 2h (ônibus/trem) / 30 minutos (moto)
 
Economia
Transporte – R$ 138
Tempo – Até 1h30 a menos
 
POR QUE ANDAR DE MOTO
 
1º - Economia no consumo
Enquanto um carro popular pode rodar 10 km com 1 litro de combustível, uma moto de 150cc pode rodar mais de 30 km
 
2º - Ganho no tempo
Tradicionalmente a motocicleta proporciona grade economia de tempo no deslocamento no trânsito congestionado
 
3º - Puro Prazer
Só quem conhece e anda de moto para entender a sensação de liberdade que o veículo de duas rodas oferece ao motociclista
 
4º - Investimento reduzido
Uma moto compacta ou scooter, veículos ideais para andar em grandes cidades, têm apenas uma fração do custo de um carro
 
5º - Segurança
Andar de carro pode ser uma tarefa automática, mas andar de moto exige muita concentração, condição básica de segurança


Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Especial: A volta da CB 400

Honda CBR 250RR de competição é mostrada no Salão de Osaka

LifeMotosBr: CBR 600F - Hayabusa´s Day agita Porto Alegre

Vyrus 986 M2 Stradale: protótipo direto da Moto2 para as ruas

Ryno Motors é um inovador e moderno monociclo elétrico

Enquete MOTO.com.br - Que trail compacta você quer no Brasil

Honda futurista aparece em novo filme de Scarlett Johansson

Yamaha XJ6N ganha novo esquema de cores na linha 2018

Honda futurista aparece em novo filme de Scarlett Johansson

Hesketh Valiant SC é uma incrível máquina de 210 cavalos

Enquete MOTO.com.br - Que trail compacta você quer no Brasil

Ryno Motors é um inovador e moderno monociclo elétrico

Vyrus 986 M2 Stradale: protótipo direto da Moto2 para as ruas

Honda CRF1000L Africa Twin ganha versão mais extrema na Itália


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras