moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Matchless volta à ativa com releitura de modelo clássico

03 de February de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Carlos Bazela

A Matchless nasceu na Inglaterra na década de 1920 e atingiu feitos notáveis no motociclismo. Em 1937, por exemplo, a segunda geração da Model X era capaz de chegar aos 130 km/h, número impressionante para a época. Entretanto, a marca encerrou suas atividades em 1966 e, em 2012, voltou à ativa, mas como uma grife de roupas. Agora, a Matchless prepara seu retorno triunfal ao segmento que a consagrou com uma moto totalmente nova. Uma releitura da antiga Model X com o clássico motor de dois cilindros em “V” que a transformou em ícone na Europa.

Batizada de Model X Reloaded, a moto tem um visual que impressiona. As formas retrô alusivas ao modelo de antigamente podem não ser uma unanimidade nos padrões de beleza, mas certamente chamam a atenção. A releitura traz grandes para-lamas e enormes círculos pretos prendendo as roda de 16’’ na dianteira e 17’’ na traseira. Embora a frenagem seja feita por discos com pinça de 12 pistões na frente e seis pistões atrás, o visual lembra muito os tambores de antigamente.

Os escapes também chamam a atenção pelas “barbatanas” nas pontas, comuns em modelos do início do século XX. Os canos se ligam a um propulsor de dois cilindros em “V” de 1916 cm³ feitos pela norte-americana S&S. Já na rabeta, toques modernos, como o assento, que finaliza o dorso da moto, uma vez que a lanterna traseira e o suporte de placa estão afixados no para-lama traseiro, seguindo as novas tendências de design.

Inovação retrô
O fato de o visual ser inspirado em uma moto do passado não quer dizer que a Matchless não tenha achado espaço para inovar. O garfo dianteiro invertido, por exemplo, recebeu duas barras de apoio ligadas à roda e criou uma espécie de link com o sistema de amortecimento. De acordo com a marca, a função da peça é manter a aderência da roda ao solo.

Já na balança traseira, dois amortecedores absorvem impactos e ajudam a reduzir a tensão torcional feita sobre o chassi. Um deles está colocado na vertical, abaixo do assento e o outro na horizontal, embaixo da moto de forma semelhante ao que a Harley faz com os modelos da família Softail.

Os faróis duplos também são outra boa sacada. Afixados em estruturas móveis independentes, eles – ou apenas um dos dois – podem ser deslocados para frente ou para baixo. Além do estilo diferenciado, a novidade pode melhorar a iluminação em condições adversas, uma vez que próximo ao para-lama dianteiro, o conjunto funciona como farol de neblina.

As pedaleiras e o guidão também são ajustáveis e podem girar em 40º e ser reposicionadas para oferecer uma pilotagem mais esportiva ou mais confortável. O mesmo acontece com os semi-guidões, que oferecem tanto ajuste de altura como de inclinação, podendo ser virados mais para trás, como nas café racers de antigamente. O assento segue a mesma receita e pode ser configurado entre 740 e 800 mm de altura.

Do pano ao Aço
A Matchless nasceu como fabricante de motocicletas em 1899 pelas mão de Henry Collier. Em 1907, seu filho Charlie imortalizou a marca ao vencer a categoria monocilindro no primeiro TT da Ilha de Man, uma das provas mais antigas do motociclismo mundial. Tudo ia bem até as vendas declinarem por conta das dificuldades do pós-guerra e a marca ir à falência em 1966. Em 1987, o empresário e entusiasta Les Harris tentou reerguê-la, mas não obteve sucesso e a produção da Matchless G80 acabou sendo encerrada no início da década de 1990.

Mais de 20 anos se passaram e a Matchless ressurgiu com novos donos, a família Malenotti. Sob o nome de Matchless London, a marca ressurgiu como um selo de roupas ligado à luxuosa grife Belstaff. Com acesso a peças publicitárias que incluíam rostos como James Dean e Marlon Brando, fãs das motos Matchless, as coleções apresentadas refletem o gosto pelo motociclismo e a moto como estilo de vida, como acontecia na década de 1930. No final de 2014, o designer Franco Malenotti, entretanto, resolveu que era hora de voltar à fabricação de motocicletas e desenhou a Model X Reloaded com inspiração no modelo mais icônico da marca.

O projeto contou com as bênçãos dos descendentes de Henry Collier e um deles, John Keller, demonstrou o orgulho ao ver o renascimento da fabricante de motos. “Minha família está orgulhosa em ver que a lenda da Matchless está sendo revivida e, mais importante, mostrada para as novas gerações”, disse ele. Ainda sem previsão de chegada ao mercado, estima-se que a nova Model X Reloaded devera custar entre 50 mil e 55 mil Euros. Ou seja, algo entre R$ 150 mil e R$ 165 mil.



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

KTM oferece as motos de enduro com bônus de fábrica

Abraciclo: Produção de motos recua ao patamar de 2002

Ducati lança aplicativo para simular financiamento de motos

Triple Triumph inaugura nova loja em Miami (Estados Unidos)

Ducati Diavel Diesel desfila em Milão como moto fashion

Salão Moto Brasil tem muitas atrações no Rio de Janeiro

Honda apresentará Rebel 500 no Salão de Verona (ITA)

Nova Kawasaki Ninja H2 Carbon chega por R$ 164 mil

Honda apresenta linha 2017 da aventureira XRE 300 no país

Polícia de SP vai combater crime de Triumph Tiger 800 XCx

Triumph revela linha 2017 da Street Triple na Inglaterra

Ducati Diavel Diesel desfila em Milão como moto fashion

Clássica Honda CB 1100EX chega aos EUA

Honda mostra moto que se equilibra sozinha na CES 2017


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras