moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Manutenção correta do freio é sinônimo de segurança na moto

01 de December de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Guilherme Silveira

De extrema importância, o freio da moto é um sistema que tem longa vida útil se comparado a outros componentes. Porém, para funcionar de forma eficiente - principalmente em frenagens de emergência - é necessário tomar alguns cuidados básicos e periódicos em termos de manutenção. Confira os principais:

Freios a disco
Cada vez mais comum nas motos atuais – pelo menos na dianteira – o freio a disco apresenta eficácia superior em relação ao sistema de tambor.

Mas é necessário tomar alguns cuidados para não deixar o motociclista na mão (ou no chão). A troca do fluido, independente da substituição das pastilhas, deve ser feita uma vez ao ano. Já que o “óleo” de freio é higroscópico; ou seja, absorve umidade e isso pode prejudicar as frenagens. “Deve-se trocar todo o fluído, e não apenas uma parte (a sangria), quando se substitui a pastilha. O custo é baixo e o resultado, garantido”, explica o mecânico Alex Bongiovanni, da Officine Moto, de São Paulo.

Atualmente se utiliza com mais frequência dois tipos de fluido: DOT 4 e o novo DOT 5.1. No caso do último, grande diferença é a maior resistência à temperatura; o que torna as frenagens iniciais mais “duras”. O DOT 5.1 é muito usado no disco traseiro de motos mais pesadas – como as custom – ou que tenham mais propensão a travamento da roda. Mas o ideal mesmo é usar o fluido recomendado no manual do proprietário da sua moto.

As pastilhas também devem ser verificadas periodicamente. Mesmo que visualmente não seja possível notar o desgaste, quando já estiverem em fim de vida, elas “apitam” em frenagens, ou seja, o ferro da base da pastilha entra em atrito com o disco e emite um ruído. Nessa situação, já passou da hora de trocá-las. Segundo o especialista, “é recomendável lavar o ‘carrinho´ que fixa a pinça nas bengalas, e depois passar vaselina nos pinos deslizantes da peça”.

Os discos de freio costumam demorar a pedir troca, principalmente se você substituir as pastilhas na hora certa e manter o fluido em dia. O manual do proprietário geralmente indica com quantos quilômetros o disco deve ser substituído e, inclusive, há uma marca de segurança em sua superfície (geralmente em torno de 4,5 mm) que deve ser obedecida.

Flexíveis
Em relação às mangueiras (ou flexíveis de freio), normalmente não há necessidade de troca, desde que se substitua o fluído anualmente. O que pode acontecer, caso se rode com fluido “velho”, é a formação de uma borra que entope a mangueira por dentro, deixando o retorno do freio lento ao manete.

Quando isto acontece, Bongiovanni explica que “o único jeito é trocar o flexível; de preferência por um de marca renomada. Mangueiras muito baratas tendem a deformar quando se freia, passando pouco fluído para a pinça e deixando o sistema ineficiente”.

Se precisar trocar o flexível, uma alternativa é instalar mangueiras aeroquip. Envoltos por uma trama metálica, estes flexíveis apresentam menor “deformação” quando o fluído passa; resultando em frenagens mais precisas e potentes.

Freio a tambor
Apesar de estarem defasados, os freios a tambor são adotados pelas fábricas em motos de baixa capacidade cúbica por serem mais baratos e fáceis de manter. Muito motociclistas ainda preferem o tambor na roda traseira por ter ação menos agressiva em frenagens mais fortes. Desde que, é claro, estejam com a manutenção em dia.

A regulagem do tambor de freio, ainda muito popular na roda traseira (e na dianteira de modelos mais populares) é muito importante e bastante simples. Aperta-se o varão que aciona as sapatas internas, porém apenas até o final de seu curso.

Nunca se deve regular o “braço” ao qual é ligado no pedal, de maneira a dar uma alavanca maior. Ao fazer este “quebra-galho” para não ter que trocar a lona (sapata), a geometria do sistema pode ser prejudicada. Tal prática é perigosa, pois ao acionar o freio, ele tende a não retornar – e a ficar literalmente com a roda presa.

A troca das lonas (sapatas) é simples e acessível, e há inclusive modelos com maior medida (de 0,25 mm a 1 cm) para cubos mais gastos. Passada a medida final, a solução será trocar o cubo da roda por um novo. Dessa forma o sistema de freio a tambor mantém sua eficácia.

Fotos: Doni Castilho e Mario Villaescusa/Infomoto e Divulgação



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Moto impressa em 3D tem motor da Kawasaki H2

Ducati tem nova tabela de preços para dezembro no Brasil

Yamaha MT-07 conta com novas cores para 2017

Mercado: Venda de motos cresce 13,27% em novembro

Detran.SP: Permissão internacional pode ser solicitada online

Manutenção correta do freio é sinônimo de segurança na moto

Honda CRF 1000L Africa Twin ganha ainda mais apelo Off Road

BMW apresenta a aventureira compacta G 310 GS

Nova Honda CBR 1000RR SP é puro sangue em rédea curta

Mudanças deixam Yamaha MT-09 mais radical para 2017

Suzuki V-Strom 250 2017 mostra a cara no Salão de Milão

Honda CRF 1000L Africa Twin chega nas lojas a partir de R$ 64.900

Yamaha promete inusitada Ténéré 700 para 2018

Honda revela nova custom Rebel 500 nos Estados Unidos


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras