moto.com.br

Publicidade:

Acontece

Inspeção veicular gera polêmica

13 de February de 2009
Compartilhe este conteúdo:

Arthur Caldeira
 
O Programa de Inspeção Veicular criado pela Prefeitura de São Paulo entrou em sua segunda fase em 2009. Com isso desde 2 de fevereiro, além dos veículos a diesel e automóveis (fabricados a partir de 2003), todas as motocicletas (exceto as com motores dois tempos) estão obrigadas a passar pela inspeção, que se limita apenas a verificar a emissão de poluentes.

Ao final da primeira semana, a grande polêmica ficou por conta da alta taxa de reprovação das motocicletas. Segundo dados da Controlar, única empresa responsável pela inspeção na capital paulista, das 389 motos inspecionadas 12 foram rejeitadas na inspeção visual e 87 reprovadas no teste de emissão de gases.  Ou seja, 25%.

A inspeção visual verifica o funcionamento do motor, vazamento de óleo e fumaça aparentes e também o sistema de exaustão. Ao ser aceita no teste visual, a moto passa pela medição computadorizada da emissão de gases, que afere a emissão de monóxido de carbono e hidrocarbonetos e também a diluição dos poluentes.

Apesar de a empresa divulgar que a emissão de ruídos também seria verificada, no Centro de Inspeção da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, o procedimento não estava sendo realizado nas motocicletas. Segundo um técnico que preferiu não se identificar, os ruídos das motos serão medidos a partir do próximo ano.
 
Polêmica

Como na primeira semana a reprovação entre as motos foi alta, pode-se supor que muitas das motos que rodam em São Paulo são grandes vilãs da poluição. Porém, a questão não é assim tão simples.

“Temos de levar em consideração que os automóveis inspecionados têm no máximo seis anos de uso. No caso das motos, a inspeção vale para todas, independente do ano de fabricação”, afirma Moacyr Alberto Paes, diretor-executivo da Abraciclo, associação dos fabricantes do setor de duas rodas.

Outro fator que pode influenciar nesta alta taxa de reprovação é que o índice de monóxido de carbono admitido pela Inspeção Veicular em São Paulo tem valores estabelecidos em uma porcentagem do volume — no máximo 9% para as motos fabricadas antes de 2002. Porém, para a homologação junto ao Ibama e atender ao Promot o índice é medido em massa. “Desconhecemos as razões para os valores estabelecidos para a inspeção em São Paulo”, completa Paes.

O limite de diluição dos poluentes também gera polêmica. “Não sabemos que fórmula química é esta utilizada pela Controlar”, afirma o diretor da Abraciclo. Os fabricantes e a associação tiveram somente uma reunião com a Secretaria Municipal competente, poucos dias antes da entrada em vigor da nova lei, mas sem a presença da Controlar. “Levamos os departamentos de engenharia das montadoras para estabelecermos padrões para a medição. Porém não sei dizer se estão sendo cumpridos”.
 
A Abraciclo já solicitou os dados oficiais, mas até agora não foi atendida.  “Na próxima semana devemos acompanhar as inspeções. Queremos ajudar, mas não temos acessos aos dados”. A associação ressalta que todas as motocicletas fabricadas no Brasil, desde 2003, seguem as rígidas normas do Promot.

O diretor-executivo da Abraciclo ainda tece outras críticas à Inspeção Veicular na cidade de São Paulo. “A Inspeção Veicular que deveria ser feita, levando em conta diversos itens de segurança, ainda não saiu do papel. Esta inspeção em São Paulo preocupa-se apenas com a poluição”, diz ele, referindo-se ao fato de que itens de segurança, como pneus, freios, iluminação, entre outros, são deixados de lado.

Fato comprovado pela reportagem da Infomoto na visita ao Centro de Inspeção da Barra Funda. Nem motos ou carros eram inspecionados quanto ao estado dos pneus, faróis, lanternas, etc.

Como ser aprovado?

Como a lei está valendo e a não realização ou a reprovação na inspeção para as motos registradas na cidade de São Paulo pode gerar multa de até R$ 550 e bloquear o licenciamento do veículo, procuramos as montadoras com o intuito de orientar os motociclistas.

A Yamaha admitiu que, por meio de sua rede de concessionários, foi notificada sobre duas reprovações de motocicletas da marca. Ambas reprovadas no polêmico teste de dispersão de poluentes, sendo que uma apresentou fator de diluição inferior a 1 e a outra, acima de 2,5 — o admitido está entre 1 e 2,5.

Em nota, a empresa afirmou que “a área de engenharia está investigando as possíveis razões, que podem decorrer de vários fatores: desde a regulagem incorreta da marcha lenta, passando pela regulagem da mistura ar/combustível até eventual uso de combustível adulterado. Contudo, ainda não temos resposta exata sobre os casos”.

Porém, a Yamaha orienta seus clientes a realizar uma revisão completa, seguindo suas especificações. “Cuidados com cabos, velas, e filtros são essenciais”, afirma seu comunicado. Ressalta ainda que é importante preservar os componentes originais, especialmente os itens do sistema de alimentação e exaustão.

Apesar de as concessionárias Yamaha não contarem com equipamentos para a aferição da emissão de gases, a empresa recomenda que seus clientes realizem as revisões nesses locais já que, segundo a empresa, os técnicos estão habilitados a realizar ajustes conforme as especificações da fábrica. “Por fim, a motocicleta ajustada e abastecida com combustível de origem confiável, se aferida da maneira correta, deve ser aprovada na inspeção”.

Já a Honda não quis se pronunciar sobre a Inspeção Veicular. Insistentemente procurada por nossa reportagem, a empresa, líder de mercado, limitou-se a emitir uma nota por escrito, por meio de sua assessoria de imprensa: “Estamos acompanhando o processo de inspeção veicular pela mídia e não conhecemos os métodos empregados, o que inviabiliza qualquer análise mais aprofundada. Sugerimos consultar diretamente a Controlar, que possui os dados oficiais e a metodologia das inspeções, ou até mesmo a Abraciclo, que pode responder em nome do segmento de duas rodas”.

A Honda não quis nem mesmo orientar seus clientes sobre que cuidados ter com a moto e também se negou a dizer se suas concessionárias estariam aptas a realizar revisões antes das inspeções.

Serviço

Você sabe como agendar a Inspeção Veicular? Primeiro é preciso entrar no site da Controlar (www.controlar.com.br), imprimir o boleto de R$ 52,73 e efetuar o pagamento nos bancos conveniados.

Depois de 72h (prazo de compensação bancária), o motociclista deve entrar novamente no site e agendar a inspeção. Para efetivar a inspeção, é fundamental estar com o documento da moto em mãos (número do Renavan). Em caso de dúvida, ligue para o Serviço de Atendimento Controlar (SAC): (11) 3545-6868.

Os proprietários dos veículos podem começar a agendar sua inspeção em até 120 dias antes da data limite de seu licenciamento. O prazo para realizar a inspeção é 90 dias antes da data limite do licenciamento. A Inspeção deve ser realizada de acordo com o final da placa dos veículos.

Confira a relação:

Placa de final 1
Início do Agendamento: 5 de janeiro
Início da Inspeção: 1 de fevereiro
Término da Inspeção: 30 de abril

Placa de final 2
Início do Agendamento: 1 de fevereiro
Início da Inspeção: 3 de março
Término da Inspeção: 31 de maio

Placa de final 3
Início do Agendamento: 1 de março
Início da Inspeção: 2 de abril
 Término da Inspeção: 30 de junho

Placa de final 4
Início do Agendamento: 1 de abril
Início da Inspeção: 3 de maio
Término da Inspeção: 31 de julho

Placa de final 5
Início do Agendamento: 1 de maio
Início da Inspeção: 3 de junho
Término da Inspeção: 31 de agosto

Placa de final 6
Início do Agendamento: 1 de maio
Início da Inspeção: 3 de junho
Término da Inspeção: 31 de agosto

Placa de final 7
Início do Agendamento: 1 de junho
Início da Inspeção: 3 de julho
Término da Inspeção: 30 de setembro

Placa de final 8
Início do Agendamento: 1 de julho
Início da Inspeção: 3 de agosto
Término da Inspeção: 31 de outubro

Placa de final 9
Início do Agendamento: 1 de agosto
Início da Inspeção: 2 de setembro
Término da Inspeção: 30 de novembro

Placa de final 0
Início do Agendamento: 1 de setembro
Início da Inspeção: 3 de outubro
Término da Inspeção: 31 de dezembro

Fotos: Agência Infomoto.



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

V-Strom 650XT expande os horizontes da Suzuki

Matchless Model X Reloaded será mostrada em Milão

Motos com destaque no estande BMW no Salão do Automóvel

MV Agusta deve lançar a Turismo Veloce em 2015

Desafio Braves Mud Race acontece dia 30/11 no CTLS

Brasil Motorcycle Show tem espaço especial para vinhos

Honda lança PCX DLX como linha 2015 do scooter

Yamaha apresenta a esportiva compacta YZF-R3 nos EUA

Bom momento do mercado impulsiona novidades em Colônia

Pesquisa: Que moto comprar entre R$ 25 e R$ 30 mil

Kawasaki revela Ninja H2R com 300 cavalos de potência

Suzuki confirma para o Brasil modelos lançados na Alemanha

Exclusivo: Flagramos a Dafra Cityclass em fase de testes

Harley-Davidson promove o São Paulo Harley Days 2014


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras
Ducati Honda CB 600 F Hornet Motos Usadas Kawasaki Motos Novas Fazer Transalp Fipe Yamaha YZF R1 Suzuki Kasinski Moto Velocidade Srad Sundown Motos CBR Harley Davidson MotoGP BMW XT 660 Tornado 600RR Ofertas Shadow Revista Off Road

Siga-nos

ícone orkut ícone youtube ícone twitter ícone facebook ícone rss