moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Família Agrale e sua história no off-road brasileiro

23 de July de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

A década de 1980 foi sem dúvidas a grande fase das motos off-road no Brasil, onde diversas fabricantes lançaram seus modelos no mercado nacional impulsionando as vendas e consequentemente o crescimento deste segmento.

A então fábrica brasileira de tratores e caminhões AGRISA, decidiu no anos de 1983 começar a fabricar ciclomotores com um acordo de cooperação técnica e comercial com a empresa italiana Cagiva. A partir de então iniciou o processo de construção dos modelos e após pouco mais de um ano chegam no mercado as motocicletas Agrale SXT 16.5 e Elefant 16.5.

Ambos os modelos compartilhavam a mesma mecânica, porém tinham detalhes diferenciados, como, por exemplo, o tanque de combustível com capacidade de 11 litros na SXT e 16,1 litros na versão Elefant. O design era muito semelhante há modelos da Cagiva e representaram um avanço em relação aos modelos Honda XLX 250R e Yamaha DT 180, que eram comercializados na época.

O que gerou bastante confusão e muitos ainda se enganam é em relação a sua motorização. Os dois modelos da Agrale eram equipados com motor de 125 cm³ de dois tempos com arrefecimento à água, que desenvolvia 16,5 cv de potência e torque de 1,72 kgf.m. A partir daí que surgiu o seu nome, que indicava sua potência e não o motor com 165 cm³ como muitos falavam.

O seu baixo torque era uma das suas limitações, de saída era meio fraca e tinha que manter sempre o giro alto no motor. Com isso a fabricante decidiu lançar um ano mais tarde a linha de 190 cm³ com a SXT 27.5, Elefant 27.5 e Dakar 30.0. Assim como nas primeiras versões os números indicavam a potência dos modelos e não a cilindrada.

As novas versões estavam bem mais ágeis e o torque aumentou para 2,52 kgf.m na SXT e Elefant e 2,6 kgm.f na versão Dakar, que também recebeu novas palhetas de admissão e outro escapamento.

O conjunto de freios era inédito em modelos de uso misto (trail) equipada com freio a disco na dianteira desde sua primeira versão. As suspensões, que já eram modernas passou a ter maior curso e deixou a moto ainda melhor. As novidades não pararam por ai, as últimas versões também receberam pedais retrateis e indicador de marcha no painel.

Mesmo com todos estes atributos a marca gaúcha nunca chegou a ter uma quantidade significativa do mercado brasileiro e a concorrência aumentava a cada ano com a chegada de novos modelos, como, por exemplo, a Honda XLX 350R. Para tentar sobreviver a Agrale lançou em 1988 a denominada Série 2.

Esta nova série fez grande sucesso e teve muitas peças revistas para aumentar a qualidade e robustez, entre elas pistão, anéis, biela, radiador, válvula termostática, filtro de ar e vedação da bomba d´água. Assim surgia a versão SXT 27.5 E preparada de fábrica para as competições de enduro.

Foram vendidas cerca de 7.000 unidades no primeiro ano e a partir de então se tornou comum nas trilhas brasileiras, misturando-se com as DT 180, que também fez grande sucesso na época.

As outras Agrales começaram a perder espaço e então a marca decidiu lançar a Elefantre. A versão contava com o mesmo motor da Dakar, com a opção de partida elétrica, e recebeu novo sistema de freio a disco e uma nova suspensão dianteira, além de mudanças no visual.

A partir de então a Agrale passou a oferecer uma versão mais popular para competir com as RDs 135 e as Cgs, lançando a SST 13.5, como motor de 125 cm³ arrefecido a ar com 13,5 cv de potência. Os freios eram a tambor e a suspensão traseira com duas molas, tudo para baratear a moto, passando a descaracterizar a marca, que sempre teve componentes diferenciados.

Com a oferta de motos expandida a Agrale enfrentou um problema com o governo federal, que através do CIP (Conselho Interministerial de Preços) congelou o preço das motos até 150 cm³. Isso fez o preço dos modelos 16.5 ficam defasados, inferiores até a SST 13.5. Assim a montadora descartou a linha simplificada e lançou a Elefantre 16.5, em outubro de 1989.

Visualmente era idêntica a 30.0, porém, com motor de 125cm³, ela garantiu a liderança de vendas da marca. Em 1992 esta versão recebeu partida elétrica, que tinha sido retirada e seu nome passou a ter um assento no ultimo “e” para facilitar a leitura para os brasileiros.

Já a verdadeira 30.0 reduziu sua potência para 26,5 cv para adequar-se as medições da época. Ela recebeu diversos novos itens e se destacava pelo design e ousadia, característicos da marca. Chamava a atenção também pelas cores dos modelos top de linha, entre elas destaque para a última versão da 27.5 EX, amarela com o quadro rosa.

A partir de 1994 quando voltaram as importações a Agrale começou a importar outros modelos, entre eles a Husqvarna WR 250 e a Cagiva Super City 125. Sua produção de motos durou até o ano de 1997 e hoje já se tornou raridade encontrar algum modelo circulando pelas trilhas e principalmente nas ruas.

A tecnologia italiana aplicada na Agrale foi muito importante para o desenvolvimento de modelos nacionais e com certeza os trilheiros mais velhos nunca irão esquecer esta marca, que fabricava os motores dois tempos tão divertidos de pilotar!



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Cesvi dá dicas para conduzir as motos com segurança

Triumph comemora resultados globais no último ano fiscal

Polícia de SP vai combater crime de Triumph Tiger 800 XCx

Salão Moto Brasil no RJ vai sediar feira de negócios

Conheça a história dos motores Harley-Davidson

BMW Motorrad bate recorde mundial de vendas

MOTO.com.br renova layout da sua versão mobile

Clássica Honda CB 1100EX chega aos EUA

Honda mostra moto que se equilibra sozinha na CES 2017

Nova naked Street Triple da Triumph deve ter motor de 800cc

Honda apresenta linha 2017 da aventureira XRE 300 no país

Vídeo: Empinando no gelo a mais de 200 km/h de BMW S 1000 XR

Triumph revela linha 2017 da Street Triple na Inglaterra

LifeMotosBr: CB Twister - Relatório de 1 ano de uso da moto


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras