moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Especial Off Road: Sujeira nas trilhas

Autoridades realizam operações para combater a importação ilegal de motos off-road. Saiba como identificar se a sua motocicleta está legalizada

10 de March de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Nas últimas semanas, o motociclismo off-road foi surpreendido por ações da Receita Federal que, com apoio da Polícia Rodoviária Federal, apreendeu diversas motos para a prática do fora-de-estrada em Minas Gerais e São Paulo. Segundo as autoridades, o objetivo das operações era fiscalizar a regularidade de motocicletas importadas para a prática de trilhas, enduro e outras modalidades off-road. A “Operação Trilhas de Minas”, realizada na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), local habitual de trilhas, e a “Operação Enduro”, deflagrada em uma competição de Motocross na cidade de Atibaia, interior de São Paulo, apreenderam conjuntamente 157 motos importadas ilegalmente para o Brasil. Proprietários e praticantes do off-road, assim como alguns revendedores, foram os alvos da operação.


As autoridades têm combatido fraudes na importação de motocicletas desde o ano passado quando, em setembro, a Polícia Federal deflagrou a “Operação Racer” em diversas cidades do interior de São Paulo e em Ponta Porã (MS), cumprindo mandados em diversas empresas, onde foram apreendidas motos e peças off-road, além da prisão de três pessoas pelo crime de descaminho (quando não há o pagamento dos tributos para a entrada do bem no País) e associação criminosa. 

Segundo o delegado-chefe da Polícia Federal que liderou a Operação Racer, Alexandre Custodio Neto, havia dois esquemas de fraude na importação de motos. O primeiro deles consistia na entrada de motocicletas novas, importadas ilegalmente do Paraguai, que eram vendidas às empresas investigadas como motos usadas por meio de notas e registros falsos para “esquentar” o produto. “O segundo era a venda de motos fracionadas, enviadas ao Brasil em partes e em diversas remessas que chegavam ao Aeroporto do Galeão (RJ) com notas frias e depois eram vendidas aqui”, explicou. O delegado da PF acrescentou que dois empresários brasileiros na Flórida, Estados Unidos, estavam envolvidos no esquema e são acusados de fracionamento de remessas postais e falsa declaração de conteúdo.

Sua moto é legal?

As autoridades estão, portanto, combatendo tanto os empresários que cometem os crimes na importação ilegais de motos, assim como os proprietários que adquiram os bens frutos dos crimes. A situação deixou os motociclistas off-road preocupados se as suas motos estão ou não legalizadas. Conversamos com autoridades, importadores, representantes e praticantes sobre como evitar comprar uma moto ilegal, que poderá ser apreendida em uma fiscalização rotineira na estrada ou ainda em locais de concentração dos trilheiros. 

1 – Segundo o delegado da PF, Alexandre Custodio Neto, uma maneira de se evitar motos ilegais é adquirindo-as de importadores oficiais no Brasil. A mesma dica da subsidiária da KTM no País que orienta os clientes a comprar as motos da marca nos revendedores autorizados. Em geral, no site das fabricantes é possível ver uma lista desses locais. 

2 – Importante também, no caso das motos “0 km”, é exigir a nota fiscal do produto, que deve conter o número do chassi e do motor da moto, além do número da Declaração de Importação, o famoso “DI”, caso seja importada – a KTM afirma que está orientando seus revendedores a incluir a DI no Campo de Observações da Nota Fiscal. Vale ressaltar que alguns modelos exclusivos para o off-road e que, portanto, não podem ser emplacados são nacionalizados e não têm “DI”, nesse caso a nota fiscal precisa ter o número do chassi e do motor da moto. Como exemplo, as motos de Enduro da KTM ou ainda a Honda CRF 230, montadas em Manaus (AM). 

3 – Mesmo que sua moto seja “0 km” ainda assim é preciso se prevenir, pois algumas empresas emitiam notas fiscais “frias”. Para verificar a autenticidade da nota é preciso acessar o portal da Nota-Fiscal Eletrônica (www.nfe.fazenda.gov.br) e clicar no link “consulta”. É preciso do número da “chave de acesso” impresso em toda nota fiscal eletrônica.

4 – No caso de motos usadas, também exija sempre a Nota Fiscal de compra e faça um contrato de “Compra e Venda”. Caso a moto que vai adquirir seja antiga e não tenha a nota fiscal eletrônica, um despachante aduaneiro poderá lhe ajudar. “Com o número da nota fiscal é possível verificar se o produto também tem ‘DI’, ou seja, que foi importada legalmente e teve todos os impostos recolhidos”, revela Rogério Montilla, praticante de off-road há 15 anos e que acabou de adquirir uma moto usada.

Fotos: Divulgação



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Husqvarna apresenta linha 2018 de motos para motocross

Motos Ducati Multistrada 1200 fazem segurança do G7

Rota K lança Kawasaki Z 650 no Encontro de Motos de Vinhedo

KTM 390 Duke ABS ganha Edição Especial no Brasil

Nova legislação do Contran não vai proibir baús nas motos

Kibo K150: conheça o lançamento trail para os quenianos

MV Agusta anuncia nova divisão de veículos especiais

Nova legislação do Contran não vai proibir baús nas motos

Motos SWM Motorcycles chegam ao Brasil com quatro modelos

Kawasaki Z 650 ABS é novidade da marca japonesa no Brasil

KTM 390 Duke ABS ganha Edição Especial no Brasil

Kibo K150: conheça o lançamento trail para os quenianos

Flagra da nova Dafra Apache RTR 200 4V em São Paulo

MV Agusta anuncia nova divisão de veículos especiais


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras