moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Conheça detalhes do novo motor 160 da Honda CG

28 de August de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Aldo Tizzani

De cara, uma coisa precisa ficar clara: nenhuma peça do motor de 150 cc da Honda é compatível com o novo propulsor de 160 cc que passa a equipar os modelos da nova linha CG 2016. Ou seja, trata-se de um motor completamente novo. O desafio da marca japonesa foi encontrar uma fórmula que equalizasse eficiência na combustão, economia de combustível e baixa emissão de poluentes. Agora com 162,7 cm³ capacidade cúbica, o monocilíndrico do veículo mais vendido do país evoluiu em termos mecânicos, mas também no quesito desempenho, já que oferece maior potência e torque. 

O novo propulsor FlexOne (bicombustível) foi projetado para atender a segunda fase do Promot 4, que entra em vigor a partir 1º de janeiro de 2016. Entre as novidades está a utilização de mais um balanceiro para diminuir a vibração e a fixação do eixo primário nas tampas laterais – calçados em rolamentos.
Seguindo a receita de sucesso, o motor da CG 2016 manteve a mesma arquitetura: monocilíndrico com comando simples no cabeçote (OHC), quatro tempos, arrefecido a ar, com injeção eletrônica. Entretanto, a marca trouxe algumas inovações em sua construção que prometem facilitar – e baratear – a manutenção. Conheça os detalhes do novo motor de 160cc da Honda.

Construção
Em comparação com a 150 cc, o cabeçote do motor da 160 cc é totalmente diferente, pois é feito em peça única (o cabeçote da 150 cc era fabricado em duas partes). Com isso, o motor teve uma pequena redução de peso. Além de valer a máxima: quanto menos peças móveis, menos chance de dar problemas.

Outra grande diferença está no pistão. Com saia mais curta e biela de curso mais longo, o conjunto tem menos áreas de atrito. Consequentemente, menos atrito, menos calor; menos calor, mais eficiência energética. Resultado: maior torque e potência em seu funcionamento.

O novo motor utiliza também um rolamento de agulha no eixo do balancim, onde antes existia um rolamento de esfera. De acordo com a Honda, a nova peça tem desgaste menor e exige menos manutenção.

Na 150 cc havia apenas uma mola para o retorno das válvulas. Já no comando simples da nova 160 cc há duas molas – uma interna. O objetivo é simples: que o retorno da mola seja mais rápido evitando, assim, a flutuação das válvulas.

Manutenção e troca de óleo a cada 6 mil Km
“Para facilitar a manutenção do novo motor de 160cc, não é mais necessário desmontar o cabeçote para retirar o comando de válvulas: o acesso é feito por uma tampa lateral, tornando o trabalho na oficina mais rápido e simples”, explica Eduardo Lima, instrutor técnico do Centro de Treinamento da Honda em Recife (PE), garantindo que essa mudança deve agilizar as revisões e simplificar os possíveis reparos no motor. A modificação possibilitou também que a altura do motor diminuísse, formando um sistema mais compacto, apesar do aumento de sua capacidade cúbica.

Outra novidade é a localização da vareta de medição de óleo, antes ao lado da tampa de embreagem. Seu posicionamento agora está mais a frente, facilitando o manuseio para a verificação periódica dos níveis do fluido.

Outra boa notícia é que o motor de 160 cc está com um período de manutenção mais espaçado e exige troca de óleo a cada 6.000 km. O antigo de 150 cc pedia troca a cada 4.000 km. Na prática, isso reflete no seu bolso: menor custo de manutenção para o consumidor. Mas também é mais sustentável: afinal é menos óleo para ser descartado no meio ambiente.

Desempenho
Além de todo esse papo técnico, a grande novidade do novo motor é mesmo seu desempenho superior. Agora são 14,9 cv a 8.000 rpm se abastecido com gasolina, e 15,1 cv a 8.000 rpm com etanol – anteriormente o monocilíndrico de 150cc oferecia 14,2 e 14,3 cv, respectivamente, a 8.500 rpm. O torque máximo é de 1,40 kgf.m a 6.000 rpm e 1,54 kgf.m a 6.000 rpm (com gasolina e etanol) – ante os anteriores de 1,32 e 1,45 kgf.m também a 500 giros acima.

Apesar do melhor desempenho e capacidade, o consumo de combustível foi otimizado, afinal torque e potência vêm mais cedo, a 500 giros antes. Testes iniciais revelaram que o novo propulsor, mesmo de maior capacidade e mais potente, se mostrou cerca de 8% mais econômico em comparação à versão anterior, dando mais autonomia ao modelo e sem a necessidade de paradas extras para o abastecimento em viagens mais longas. “Isso acontece porque o motociclista acelera menos para ter o mesmo desempenho”, explica Alfredo Guedes Jr, engenheiro da marca nipônica.

Compare o desempenho CG 150 X CG 160

CG 150
Potência: 14,2 cv a 8.500 rpm (gasolina)/14,3 cv a 8.500 rpm (etanol)
Torque: 1,32 kgf.m a 6.500 rpm (gasolina)/1,45 kgf.m a 6.500 rpm (etanol)

CG 160
Potência: 14,9 cv a 8.000 rpm (gasolina)/15,1 cv a 8.000 rpm (etanol)
Torque: 1,47 kgf.m a 6.000 rpm (gasolina)/1,61 kgf.m a 6.000 rpm (etanol)



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

KTM oferece as motos de enduro com bônus de fábrica

Abraciclo: Produção de motos recua ao patamar de 2002

Ducati lança aplicativo para simular financiamento de motos

Triple Triumph inaugura nova loja em Miami (Estados Unidos)

Ducati Diavel Diesel desfila em Milão como moto fashion

Salão Moto Brasil tem muitas atrações no Rio de Janeiro

Honda apresentará Rebel 500 no Salão de Verona (ITA)

Nova Kawasaki Ninja H2 Carbon chega por R$ 164 mil

Honda apresenta linha 2017 da aventureira XRE 300 no país

Polícia de SP vai combater crime de Triumph Tiger 800 XCx

Triumph revela linha 2017 da Street Triple na Inglaterra

Ducati Diavel Diesel desfila em Milão como moto fashion

Clássica Honda CB 1100EX chega aos EUA

Honda mostra moto que se equilibra sozinha na CES 2017


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras