moto.com.br
Publicidade:

Acontece

Buell renasce com streetfighter de 185 cv

12 de September de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Carlos Bazela

A Buell está de volta. Encerrada pela Harley-Davidson em 2009 por conta da crise econômica, a fabricante norte-americana ressurge agora com o nome EBR (de Erik Buell Racing) e um line-up focado na esportividade, que inclui a naked 1190SX. Resumi-la assim, no entanto, é errado. O tom esportivo acentuado e a ausência da carenagem integral a encaixa na descrição de uma genuína streetfighter. Termo, aliás, que a EBR já considera obsoleto para sua nova criação. “A classificação streetfighter, que era revolucionária quando chegamos ao mercado pela primeira vez, agora é utilizada para diversos tipos de motocicletas. Então, talvez, o termo apropriado para uma moto como a 1190SX seja ‘superfighter’”, comenta o fundador e responsável técnico da companhia, o próprio Erik Buell.

Com design agressivo, a moto tem visual caprichado, que abusa das linhas angulosas, encontradas no falso tanque e na pequena carenagem em volta do farol quadrado. Embora seja classificado como naked, o modelo usa duas aletas laterais grandes, que escondem grande parte do motor e trazem exaustores para auxiliar no arrefecimento. Já na rabeta alta, o minimalismo da lanterna e piscas na mesma estrutura do suporte de placa a aproximam mais de uma superesportiva, assim como o assento bipartido.

Elementos conhecidos como marca registrada das motos desenvolvidas por Erik Buell também estão lá, como o quadro de alumínio mais robusto nas laterais, que traz integrado o tanque de combustível com capacidade para 17 litros. E, claro, o disco de freio perimetral, que ocupa boa parte da roda dianteira e é mordido por oito pistões.

Potência bruta
Ao elevar em conta a motorização, o termo criado por Buell pode não ser exagero. A 1190SX está equipada com o propulsor ET-V2, que como o nome diz, tem dois cilindros em “V” a 72° com 1190 cm³. Graças à arquitetura favorita dos norte-americanos, a moto tem bastante torque. O máximo é de 14 kgf.m disponíveis nos 8.200 giros. Já a potência impressiona. São 185 cavalos entregues a 10.600 rpm.

O segredo do motor gerar tanto torque e potência juntos, segundo a EBR, é o fluxo do ar, que forma uma espécie de redemoinho na câmara de combustão chamado CSI (Controlled Swirl Induction). Ainda de acordo com a marca, o sistema também otimiza a economia de combustível e reduz a emissão de poluentes. Há ainda um segundo ressonador no escape, que ajuda a aumentar a potência em médios regimes de giro e a cumprir regras de emissões de ruídos.

Na parte ciclística, a 1190SX não faz feio. A moto conta tem disco de freio traseiro único de 220 mm de diâmetro, que auxilia o perimetral dianteiro de 386 mm de diâmetro. A suspensão dianteira tem garfo invertido (upside-down), enquanto os choques na balança são absorvidos por um monoamortecedor com link. O peso também é semelhante ao de uma superbike: são 205 kg em ordem de marcha.
Contudo, a “superfighter” da EBR se destaca no segmento por outro motivo além do desempenho e do estilo. Indo na contramão das suas concorrentes no segmento, a 1190SX restringe a eletrônica embarcada ao controle de tração. Mesmo com as 21 opções de ajuste, o sistema é o único auxílio tecnológico que o piloto tem para domar a moto, que dispensa modos de pilotagem, controle de wheeling e até mesmo freios ABS. A 1190SX está disponível nas concessionárias dos Estados Unidos nas cores branca, preta e vermelha por US$ 16.995, que equivalem a aproximadamente R$ 40 mil.

O sonho de Erik Buell
A Buell Motorcycles surgiu em 1983 por conta do sonho de seu criador: produzir uma moto esportiva genuinamente norte-americana. Mais tarde a ideia acabou fazendo sentido também para a Harley-Davidson, da qual Erik Buell havia sido funcionário. Em 1998, a marca de Milwaukee comprou a Buell e os frutos desse negócio foram modelos exóticos, como a naked XB12 Lightning e a bigtrail Ulysses, que chegaram a desembarcar no Brasil.

No entanto, tudo se desfez em 2009, quando a Harley decidiu fechar a marca Buell por conta da crise econômica que abateu os Estados Unidos no ano anterior. Seu fundador, entretanto, não ficou parado e criou a Erik Buell Racing (EBR), focada em motos de competição ainda em 2009. Dois anos depois, a marca já tinha a superesportiva de rua 1190RS, com produção de apenas 100 exemplares agendada para começar no ano seguinte. Em 2013 foi anunciada a compra de exatos 49,2% da EBR pela indiana Hero MotoCorp, que também desenvolve modelos em parceria com a fábrica norte-americana.  



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Salão Moto Brasil tem muitas atrações no Rio de Janeiro

Honda apresentará Rebel 500 no Salão de Verona (ITA)

Sistema de desconto para multas SNE já está na internet

Cesvi dá dicas para conduzir as motos com segurança

Triumph comemora resultados globais no último ano fiscal

Polícia de SP vai combater crime de Triumph Tiger 800 XCx

Salão Moto Brasil no RJ vai sediar feira de negócios

Clássica Honda CB 1100EX chega aos EUA

Honda mostra moto que se equilibra sozinha na CES 2017

Nova naked Street Triple da Triumph deve ter motor de 800cc

Honda apresenta linha 2017 da aventureira XRE 300 no país

Vídeo: Empinando no gelo a mais de 200 km/h de BMW S 1000 XR

Triumph revela linha 2017 da Street Triple na Inglaterra

LifeMotosBr: CB Twister - Relatório de 1 ano de uso da moto


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras