moto.com.br
Publicidade:

Acontece

15 fatos que marcaram o mundo das motos em 2015

29 de December de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Como em vários outros setores da economia, a indústria de duas rodas não teve um bom ano em 2015: as vendas devem fechar o ano em torno de 1,2 milhão de unidades, praticamente o mesmo número de 2005. Mesmo assim, o mercado se mostrou maduro e não parou de investir em novidades e tecnologias para agitar o mercado. Vamos relembrar 15 fatos que marcaram o ano no segmento de motos. 

Honda renova sua linha de baixa cilindrada - Líder de mercado, a Honda começou o ano mostrando a reformulada NC 750X, em janeiro. Mas as maiores mudanças vieram mesmo na sua linha de baixa cilindrada: o motor de 150cc deu lugar ao de 160cc na moto mais vendida do Brasil, a linha CG. Além disso, a nova CG 160 Titan ficou mais sofisticada – e cara. Outra mudança foi a volta da Twister, ou pelo menos do nome, afinal a nova CB Twister tem design, quadro e motor completamente novos. Apresentou a Pop 110i, com melhorias estéticas e motor injetado.

Yamaha amplia linha flex: A fábrica japonesa tem mostrado que está disposta a inovar e ganhar mercado em todo o mundo e também no Brasil. Para isso, trouxe a segunda integrante da linha MT para nosso País: a bicilíndrica MT-07. A marca também apostou no motor flex: agora todas as 250cc – Fazer, Lander e Ténéré – usam a tecnologia bicombustível. Além disso, lançou a Factor 150, modelo de entrada, também com motor flex.

BMW “Made in Brazil” – Em 2015, a BMW ampliou a nacionalização de seus modelos em busca de um preço mais competitivo: ao total são nove modelos montados em Manaus, da G 650 GS à nova S 1000XR. Outro fato marcante foi o lançamento da primeira moto de pequena capacidade da marca alemã, a G 310R, que apareceu como conceito no Salão Duas Rodas 2015 e em versão final no Salão de Milão. A nova G 310R irá também ser nacionalizada e poderá ajudar a BMW Motorrad a ter uma fábrica de motos no Brasil.

Triumph atinge 10.000 motos fabricadas no Brasil – A marca inglesa comemorou a marca antes mesmo de três anos de atuação. A “festa” foi em grande estilo: a linha de montagem começou com uma área construída de 1.845,94 m² e capacidade para produzir até sete unidades por dia divididas em três modelos. Em maio deste ano, expandiu-se para 2.945,94 m² e o número de funcionários passou de 19 para 62. Atualmente, monta 35 motocicletas diariamente de 12 modelos diferentes e a capacidade anual passou de 5.000 para 7.000 unidades.

O crescimento dos scooters – Mesmo em um ano complicado para a economia, entre janeiro e outubro foram emplacados mais de 30 mil scooters no Brasil. Os modelos Honda PCX 150, líder, e o Lead 100 venderam juntos 25.438 unidades no período, o que representa um crescimento de mais de 6% em relação ao ano passado. Além dos números de vendas, fabricantes sinalizam que o mercado deve continuar crescendo e apresentarão novidades em 2016. Inclusive com a volta da Yamaha para o segmento de scooter de baixa cilindrada, com o NMax.

Salão Duas Rodas 2015 – A edição deste ano entrou para a história como um dos eventos com o maior número de lançamentos, inclusive, estreias globais. Realizado entre 7 e 12 de outubro no Pavilhão do Anhembi em São Paulo (SP), também presenciou a apresentação de diversas novidades no line-up de inúmeros fabricantes. A Kawa apresentou a nova Ninja ZX-10R 2016. A BMW fez a avant première da Concept Stunt G 310 e a Yamaha exibiu a MT-03, sua pequena naked de 320cc, e convidou o presidente mundial para sua coletiva oficial.

Queda nas vendas - A Abraciclo - associação que reúne os fabricantes de motos e bicicletas - estima que o segmento de duas rodas fechará o ano com 1.270.000 motos produzidas e 1.210.000, emplacadas. O resultado significa que o mercado de duas rodas retrocedeu dez anos, já que os números são muito próximos aos obtidos em 2005 e 2006. O crédito restrito e a desconfiança na situação econômica do País, além do aumento do desemprego, foram os principais responsáveis pelos números ruins.

Compactas premium – Kawasaki Z 300, Yamaha R3, Duke 390... o que essas motos têm em comum? Posicionadas em uma lacuna do mercado de motocicletas entre 300 e 500 cm³, as compactas premium têm um preço competitivo aliado a uma receita empolgante. Relativamente novo por aqui, este nicho tem garantido boas vendas em mercados “emergentes”, como Índia, Indonésia e Tailândia. Por causa dessas recentes novidades, o Brasil deve repetir o sucesso de aceitação destes modelos compactos. E quem ganhou com isso foi o consumidor com mais opções no mercado.

KTM chega para valer – Anunciada em meados de 2014, a operação oficial da KTM no Brasil começou para valer mesmo neste ano. No início de 2015, as motos de enduro chegaram às concessionárias laranjas. Logo em seguida, vieram a aventureira 1190 Adventure e a big naked 1290 Super Duke R. Mas as pequenas Duke – 200 e 390 – chegaram no meio do ano agitando o segmento de compactas premium.

Cena custom – Em todo o mundo a onda de customização tem feito muito sucesso – tanto a ponto de atrair a atenção dos próprios fabricantes. E no Brasil, a moda começa a ganhar força. Concessionárias já vendem modelos “zero km” customizados, marcas, como a Triumph, realizaram concursos com suas motos no Salão Duas Rodas, e já há points para os fãs dessa cena custom, como a Shibuya Garage, Johnny Wash e a Caverna em São Paulo, além de outros espalhados pelo Brasil. 

Indian quer fazer barulho – Acreditando no mercado premium, a marca americana estabeleceu sua linha de montagem em Manaus (AM) em parceria com a Dafra Motos. E mostrou cinco novos modelos no Salão Duas Rodas, três dos quais já estão à venda nas quatro concessionárias inauguradas até dezembro. “As Indian são motos com excelente ciclística, alto nível de tecnologia e acabamento, além de muito conforto. Não viemos para brincar. Estamos tratando o mercado brasileiro com muita seriedade e respeito.”, analisa Rodrigo Lourenço, diretor geral da Polaris do Brasil, empresa que detém a marca Indian.

Harley-Davidson foca na customização – Com o objetivo de atrair um público mais jovem e cool, a Harley renovou sua linha dark custom para 2016. A Iron 883 e a Forty-Eight ganharam novas e melhores suspensões, além de um visual de moto customizada de fábrica. O objetivo é “renovar” sua base de clientes no Brasil – e em todo o mundo.  Além disso, as motos da família Softail ganharão no início de 2016 motores mais modernos, o Twin Cam 103, com 1.700cc.

Ducati foca em modelos de “entrada” - Também atingida pela crise e pela variação cambial, a Ducati tem trazido seus principais lançamentos mundiais ao País, porém ainda com a morosidade característica da empresa italiana. Primeiro veio a Monster 821 em julho, com motor refrigerado a ar e mais tecnologia, porém com um preço superior à concorrência. Já a Scrambler Icon mereceu até um espaço exclusivo em uma prévia do Salão Duas Rodas, campanha de marketing, mas só chegou às lojas mesmo no final de novembro e por R$ 36.900. A marca já prometeu  as outras versões da Scrambler – só não se sabe quando e nem por quanto. Mesma situação de modelos como a Multistrada 1200 DVT e a Panigale 1299 que também virão ao Brasil em 2016.

Kawasaki trouxe diversos lançamentos – Com um grande evento no início de 2015, a fábrica japonesa anunciou praticamente todos os lançamentos para o ano: da pequena Z300, Vulcan S, a linha Versys renovada e a impressionante Ninja H2. A Z300 veio para brigar no tal segmento de compactas premium, já a linha Versys é mais uma opção no segmento de aventureiras esportivas, enquanto a Ninja H2 é o sonho em duas rodas: motor com compressor, mais de 200 cv e o preço e R$ 120.000 (sem frete!). Tímida em algumas áreas de marketing, a Kawasaki ousou no Salão Duas Rodas 2015: fez o lançamento mundial da Nova Ninja ZX-10R na feira, poucas horas após o evento em Barcelona.

A novela das “cinquentinhas” – Desde que entrou em vigor o Código de Trânsito Brasileiro, em 1998, já previa que cada município legislasse sobre as motonetas e as cinquentinhas: os veículos até 50cc. Como ninguém fez nada até a coisa criar um problema de segurança e de saúde pública, outra lei federal (13.154/2015) incumbiu o Departamento de Trânsito (Detran) de cada Estado providenciar o registro e o licenciamento desses veículos. Além disso, tornava obrigatório a CNH para conduzir esses veículos. Aí, resolveram brigar: uma juíza deu uma liminar contra a lei federal, outra derrubou e a novela continua. Por ora o que vale é isso: cinquentinha precisa de placa e CNH categoria “A”, como as motocicletas.


Fotos: Agência INFOMOTO e Divulgação



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Salão Moto Brasil tem muitas atrações no Rio de Janeiro

Honda apresentará Rebel 500 no Salão de Verona (ITA)

Sistema de desconto para multas SNE já está na internet

Cesvi dá dicas para conduzir as motos com segurança

Triumph comemora resultados globais no último ano fiscal

Polícia de SP vai combater crime de Triumph Tiger 800 XCx

Salão Moto Brasil no RJ vai sediar feira de negócios

Clássica Honda CB 1100EX chega aos EUA

Honda mostra moto que se equilibra sozinha na CES 2017

Nova naked Street Triple da Triumph deve ter motor de 800cc

Honda apresenta linha 2017 da aventureira XRE 300 no país

Vídeo: Empinando no gelo a mais de 200 km/h de BMW S 1000 XR

Triumph revela linha 2017 da Street Triple na Inglaterra

LifeMotosBr: CB Twister - Relatório de 1 ano de uso da moto


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras