moto.com.br

Publicidade:

Ducati - História

Ducati

A história da Ducati teve início em 1926 quando a família Ducati associou-se a investidores bolonheses, para fundar a Società Radio Brevetti Ducati.

O objetivo era produzir componentes para as transmissões de rádio, baseando-se nas patentes de Adriano Ducati.

Começaram com o famoso condensador Manens e logo se seguiram outros componentes. A expansão foi rápida e logo conquistaram o respeito da indústria internacional.

Em 1935 a empresa muda-se para um complexo extremamente moderno no centro de Bolonha. A indústria Ducati começou a extensão no estrangeiro e abriram filiais em Londres, Paris, Nova Iorque, Sydney e Caracas.

A II Grande guerra foi muito dura para a Ducati. As fábricas Borgo Panigale foram destruídas, mas os irmãos Ducati não baixaram os braços.

Durante a guerra estudaram e planejaram novos produtos e a introdução nos mercados no fim dos conflitos.

Em setembro de 1946, na feira de Milão foi apresentado o motor auxiliar de bicicletas que se tornou o mais famoso do mundo: o Cucciolo. Em pouco tempo o Cucciolo transformou-se numa moto em miniatura. Graças ao seu sucesso, a Ducati afirmou-se no setor mecânico.

Em 1952 nasceu a futurista Cruiser 175 cc com ignição elétrica e transmissão automática. Em 1954 chegou à Ducati, aquele que seria um dos mitos do mundo do motociclismo: o engenheiro Fabio Taglioni.

Professor em Imola, Taglioni já tinha construído motos de caráter técnico original e de uma performance assombrosa. O design Taglioni, avant-guarde e não conformista foi batizado nas corridas.

Ao estrear-se na Ducati, o engenheiro tentou provar a qualidade das suas soluções, participando de corridas de longa distância como a de Milão-Tarranto.

Em 1956 a Ducati produziu um modelo Tourist que chegava a 110km/h, um Special que chegava a 120km/h e um Sport que chegava a 135 km/h.

No salão de Milão em 1957 apresentou os três modelos acima e o modelo América.

Em 1958 produziu-se a Elite de 200cc. Este ano marcou o triunfo do sistema desmodrónico que Taglioni estava desenvolvendo desde 1955. O projeto resultou na famosa Twin-cilinder de 250 cc, encomendada pelo piloto inglês Mike Hailwood.

O inglês pediu especificamente uma máquina de performance superior.

O modelo de 250cc em 1964 tinha uma performance excepcionalmente a altura. O modelo influenciou diretamente os modelos Scrambler subseqüentes de 350 e 450 cc.

O modelo Mach 250 que conguia ultrapassar os 150 km/h ganhou o coração dos amantes do esporte de todo o mundo.

Em 1968 a Ducati enfeitiçou os aficionados do mundo das duas rodas com a 450 Mark 3D. Foi o primeiro modelo com distribuição e ultrapassava os 170 km/h.

Depois do sucesso das Scramblers no mercado americano no início dos anos 60, em 1972 a Ducati aplicou a mesma fórmula ao mercado italiano, e obteve sucesso. 

O fim dos anos 60 coincidiu com o sucesso das maxibikes. Mais um vez foi Taglioni que detinha a fórmula do sucesso. Em abril, na corrida Imola 200 Miglia, os pilotos Paul Smart e Bruno Spaggiari correram com a nova desmodrónica 750cc. Ficaram em primeiro e segundo lugar. Daí nasceu a 750 Super Sport.

Em 1978 Mike Hailwood que cresceu com os modelos da Ducati, volta a correr no Isle of Man Tourist Trophy, deixando estupefatos os fãs com a vitória na montanha.

A moto era a Super Sport com 900 cc. Em reconhecimento a Ducati lançou  edição limitada 900 SS Mike Hailwood Replica.

Em 1983 a Ducati foi comprada por Cláudio e Gianfranco Castiglioni e passou a fazer parte do grupo Cagiva. Em 1988 a Ducati expandiu-se no mercado de motociclismo, apostou em novos modelos, aumentou a produção e intensificou o compromisso nas competições.

Em 1993 o argentino Miguel Galuzzi concebeu a Monster, uma Ducati com um caráter muito singular, despida de acessórios dispensáveis. Rapidamente este modelo se tornou uma lenda.

Nasce o modelo 916 em 1994, ano em que a tecnologia, estilo, performance e simetria chegam ao auge. A 916 foi nomeada a moto do ano pelas mais prestigiadas revistas do setor.

Apesar da inovação e dos sucessos nas competições, em 1995 a Ducati entrou em uma grave crise financeira. Os fundos da emresa foram drenados pelas outras companhias do grupo Castiglioni.

Em 1996 a Ducati sofre um take-over do Grupo Texas Pacífico. O fundo de investimentos americano trouxe o tão necessitado dinheiro e uma nova gerência internacional. Simultaneamente foi lançada a gama ST, permitindo a entrada no setor esportivo-turísitco do mercado.

Entre 1997 e 1999 a nova gerência em conjunto com a antiga equipe de engenheiros levou novamente a Ducati ao sucesso. O grande modelo desta época foi a Monster Dark, que se tornou a moto mais vendida na Itália. Em março de 1999 a Ducati Motor Holding entra na Bolsa de Valores de Nova Iorque e de Milão.

Em 2000 a MH900e torna-se a primeira moto a ser vendida exclusivamente pela internet. A Ducati baseia-se no sucesso da MH900e e funda a Ducati.com, uma subsidiária independente que leva até hoje, juntamente com a acessória de imprensa e marketing do grupo, os sucessos da Ducati ao mundo.

 

Confira o site oficial da Ducati

Confira os anúncios da Ducati no MOTO.com.br

Ducati Honda CB 600 F Hornet Motos Usadas Kawasaki Motos Novas Fazer Transalp Fipe Yamaha YZF R1 Suzuki Kasinski Moto Velocidade Srad Sundown Motos CBR Harley Davidson MotoGP BMW XT 660 Tornado 600RR Ofertas Shadow Revista Off Road

Siga-nos

ícone orkut ícone youtube ícone twitter ícone facebook ícone rss